A essência do cooperativismo - Digital Balde Branco

OPINIÃO

Remy Gorga Neto

presidente do Sistema OCDF-Sescoop/DF

“Do ponto de vista sociológico, o ser humano é aquele indivíduo capaz de viver em sociedade com os demais, que tem a capacidade de se organizar em grupos sociais (famílias, nações)”

A essência do cooperativismo

É comum escu­tar­mos, no meio coo­pe­ra­ti­vis­ta, a expres­são “Quem entra no coo­pe­ra­ti­vis­mo não quer sair mais”.Por que essa máxi­ma é ver­da­dei­ra, em gran­de par­te? Por que as pes­so­as, quan­do conhe­cem a essên­cia do coo­pe­ra­ti­vis­mo, se iden­ti­fi­cam e se encan­tam? Por que o coo­pe­ra­ti­vis­mo apaixona?

Um mode­lo de orga­ni­za­ção que sobre­vi­veu a gran­des trans­for­ma­ções da huma­ni­da­de nos últi­mos 177 anos e que con­ti­nua moder­no, con­tan­do com mais de 1 bilhão de pes­so­as no mun­do, deve mes­mo ser diferenciado.

Mas o que repre­sen­ta essa dife­ren­ça que esta­be­le­ce a sin­to­nia com as pes­so­as? Pen­so que, se ana­li­sar­mos a essên­cia do coo­pe­ra­ti­vis­mo e a essên­cia do ser huma­no, encon­tra­re­mos mui­to em comum.

Cla­ro que não vamos aqui abor­dar defi­ni­ções e carac­te­rís­ti­cas do ser huma­no estu­da­das por filó­so­fos como Jean-Paul Sar­tre, Fri­e­dri­ch Nietzs­che, Aris­tó­te­les e Pla­tão, entre outros. Do pon­to de vis­ta soci­o­ló­gi­co, o ser huma­no é aque­le indi­ví­duo capaz de viver em soci­e­da­de com os demais, que tem a capa­ci­da­de de se orga­ni­zar em gru­pos soci­ais (famí­li­as, nações). Além dis­so, é intrín­se­co ao ser huma­no pos­suir valo­res que, embo­ra de manei­ra implí­ci­ta, esta­be­le­cem regras de con­ví­vio social.

Pode­mos tam­bém con­si­de­rar que o ser huma­no é gre­gá­rio, gos­ta de estar com outras pes­so­as, de coo­pe­rar para alcan­çar pro­pó­si­tos comuns, rea­li­zar pro­je­tos e sonhos.

O coo­pe­ra­ti­vis­mo traz tudo isso em sua essên­cia, em sua filo­so­fia, que é ampa­ra­da por prin­cí­pi­os e valo­res defi­ni­dos como ali­cer­ce do seu mode­lo de orga­ni­za­ção, no qual o ser huma­no é a razão principal.

O coo­pe­ra­ti­vis­mo é fei­to por pes­so­as para pes­so­as, em um mode­lo uni­ver­sal, que, por meio da coo­pe­ra­ção e da for­ça con­jun­ta, bus­ca a cons­tru­ção de uma soci­e­da­de mais jus­ta e igua­li­tá­ria, com dis­tri­bui­ção de ren­da, geran­do feli­ci­da­de e har­mo­nia social.

Essen­ci­al­men­te, o coo­pe­ra­ti­vis­mo tem a face huma­na e o ser huma­no se per­ce­be na iden­ti­da­de coo­pe­ra­ti­va ao colo­car em prá­ti­ca a sua essência.