Asbia e Cepea firmam parceria para ter Index - Digital Balde Branco

Refe­rên­cia mun­di­al em gené­ti­ca bovi­na, o Bra­sil ino­va mais uma vez e será o pri­mei­ro país a ter um índi­ce de pre­ço sêmen

A Asbia-Asso­ci­a­ção Bra­si­lei­ra de Inse­mi­na­ção Arti­fi­ci­al aca­ba de fir­mar par­ce­ria com o Cepea-Cen­tro de Estu­dos Avan­ça­dos em Eco­no­mia Apli­ca­da-Esalq/USP para o desen­vol­vi­men­to do Index Asbia, docu­men­to que con­tém infor­ma­ções sobre a pro­du­ção e comer­ci­a­li­za­ção de sêmen bovi­no e, a par­tir de 2017, pas­sa­rá a con­ter tam­bém os pre­ços médi­os de venda.

As infor­ma­ções rela­ti­vas ao pre­ço do sêmen serão de uso exclu­si­vo, inter­no e geren­ci­al dos asso­ci­a­dos da Asbia e serão uti­li­za­das por eles para nor­te­ar a ges­tão dos negó­ci­os. “Hoje, não há infor­ma­ção do mer­ca­do de inse­mi­na­ção arti­fi­ci­al em rela­ção à valo­ra­ção do sêmen, que per­mi­ta uma aná­li­se estra­té­gi­ca por par­te das empre­sas, asso­ci­a­ções de raça e pro­du­to­res de gené­ti­ca em rela­ção ao valor médio das doses de sêmen comer­ci­a­li­za­das em cada raça”, diz Car­los Vivac­qua, ex-pre­si­den­te da entidade.

Segun­do ele, o obje­ti­vo futu­ro é desen­vol­ver um índi­ce que quan­ti­fi­que o valor agre­ga­do do sêmen, em fun­ção de seu valor gené­ti­co. Em nenhum país do mun­do exis­te essa infor­ma­ção seto­ri­al, que é extre­ma­men­te estra­té­gi­ca para ges­tão do negó­cio da cadeia como um todo. No caso dos cri­a­do­res, o índi­ce per­mi­ti­rá che­gar ao efe­ti­vo retor­no finan­cei­ro do tou­ro sele­ci­o­na­do e em cole­ta de sêmen para comer­ci­a­li­za­ção. Já as asso­ci­a­ções de cri­a­do­res terão a noção exa­ta do bene­fí­cio finan­cei­ro dos tes­tes de pro­gê­nie que realizam.

“As empre­sas de inse­mi­na­ção pode­rão veri­fi­car com o índi­ce se estão ven­den­do um pro­du­to de valor agre­ga­do”, com­ple­ta ele. O “Índi­ce de Pre­ço Médio de Ven­da de Sêmen” será ela­bo­ra­do pelo Cepea com base nas infor­ma­ções envi­a­das pelas empre­sas do setor a par­tir de um soft­ware do cen­tro de pes­qui­sa. A expec­ta­ti­va é de que em feve­rei­ro de 2017 os asso­ci­a­dos da Asbia rece­bam o INDEX já con­ten­do esses dados.

Outra mudan­ça será a redu­ção do perío­do de divul­ga­ção do Index Asbia, que atu­al­men­te é semes­tral. A pro­pos­ta ini­ci­al é tor­ná-lo tri­mes­tral e futu­ra­men­te men­sal. Para o novo pre­si­den­te da ASBIA, Ser­gio de Bri­to Pri­e­to Saud, que assu­miu o car­go no dia 1º de novem­bro, essa mai­or rapi­dez na gera­ção das infor­ma­ções para o mer­ca­do de gené­ti­ca está entre as van­ta­gens do pro­je­to.  “A ação traz mui­tas van­ta­gens para o setor. Entre elas, mai­or acu­ra­ci­da­de e cre­di­bi­li­da­de nas infor­ma­ções, aumen­to da quan­ti­da­de e qua­li­da­de das aná­li­ses do mer­ca­do de inse­mi­na­ção arti­fi­cia), mai­or rapi­dez na gera­ção das infor­ma­ções de mer­ca­do e, prin­ci­pal­men­te, mai­or visi­bi­li­da­de do impac­to posi­ti­vo da téc­ni­ca de IA e do melho­ra­men­to gené­ti­co na pro­du­ção pecuá­ria no Bra­sil, atra­vés do cru­za­men­to com outros dados de mer­ca­do”, des­ta­ca Saud.

Rolar para cima