Aula prática para otimizar o uso da água - Digital Balde Branco

Ins­tru­to­res do Senar apren­dem e ensi­nam pro­du­tor rural a oti­mi­zar uso da água a par­tir do sis­te­ma de irri­ga­ção por aspersão

Saber a quan­ti­da­de exa­ta de água que a plan­ta pre­ci­sa rece­ber é o gran­de dile­ma da mai­o­ria dos pro­du­to­res rurais que tra­ba­lham com sis­te­mas de irri­ga­ção. O fato foi cons­ta­ta­do duran­te aula prá­ti­ca do Pro­gra­ma Naci­o­nal de Irri­ga­ção do Senar, que capa­ci­tou 30 ins­tru­to­res de 17 dife­ren­tes estados.

Os par­ti­ci­pan­tes visi­ta­ram uma pro­pri­e­da­de no Pro­gra­ma de Assen­ta­men­to Diri­gi­do do Dis­tri­to Fede­ral (PAD/DF), loca­li­za­do nos arre­do­res de Bra­sí­lia, onde conhe­ce­ram de per­to o sis­te­ma de irri­ga­ção por asper­são con­ven­ci­o­nal uti­li­za­do pelo pro­du­tor Rive­li­no Fran­cis­co Simões.

Segun­do ele, a irri­ga­ção das cul­tu­ras é fei­ta dia­ri­a­men­te e “no olho”. Ele argu­men­ta que essa frequên­cia é neces­sá­ria. Porém, o tes­te de uni­for­mi­da­de rea­li­za­do pelos ins­tru­to­res mos­trou que exis­tem áre­as com exces­so de umi­da­de e com má dis­tri­bui­ção da água, o que pre­ju­di­ca a produção.

A pes­qui­sa­do­ra do Ino­va­gri, Débo­ra Camar­go, que minis­tra o trei­na­men­to de ins­tru­to­res, expli­ca que os pro­ble­mas mais comuns encon­tra­dos nas pro­pri­e­da­des rurais são a fal­ta de manu­ten­ção dos sis­te­mas, em que o pro­du­tor não faz uma ava­li­a­ção perió­di­ca de como o sis­te­ma está fun­ci­o­nan­do, a não uni­for­mi­da­de na apli­ca­ção da água, além de ter tipos dife­ren­tes de emis­so­res, entu­pi­men­tos e a fer­tir­ri­ga­ção não ser fei­ta da manei­ra apropriada.

“Essa pro­pri­e­da­de que esta­mos visi­tan­do é um exem­plo clás­si­co: entra­mos na área de ava­li­a­ção e o solo já esta­va enchar­ca­do. O pro­pri­e­tá­rio infor­mou que aque­la área foi irri­ga­da no dia ante­ri­or e hoje pre­ci­sa­ria ser irri­ga­da nova­men­te, mas o solo já esta­va enchar­ca­do. Ou seja, ele não tem ideia da quan­ti­da­de de água que tem no solo e con­ti­nua irri­gan­do, exa­ge­ran­do e des­per­di­çan­do água e aumen­tan­do o cus­to de ener­gia dele.”

Solu­ção para o pro­ble­ma — O gru­po encon­trou uma manei­ra de aju­dar o pro­du­tor a veri­fi­car a quan­ti­da­de de água na plan­ta­ção. A suges­tão foi o uso do sis­te­ma gaso­so de con­tro­le de irri­ga­ção, desen­vol­vi­do pela Embra­pa e conhe­ci­do como Irri­gas. Quem expli­cou para o pro­du­tor como fun­ci­o­na o equi­pa­men­to foi o ins­tru­tor do SENAR Espí­ri­to San­to, Fábio Gomes Pimentel.

“É um sis­te­ma de fácil cons­tru­ção, ela­bo­ra­do com uma vela de fil­tro, uma man­guei­ra de sete milí­me­tros, um bebe­dor de pas­sa­ri­nho e uma esfe­ra de iso­por. Tudo sai a uns 10 ou 15 reais. É um equi­pa­men­to sim­ples e aces­sí­vel e aqui na sua fazen­da, o senhor pode esta­be­le­cer, depen­den­do do tama­nho da área, a quan­ti­da­de apro­pri­a­da de Irri­gas. Assim, o senhor pode­rá usar seu conhe­ci­men­to e mais esse sis­te­ma para pou­par água na irri­ga­ção”, con­ta Pimentel.

Da últi­ma capa­ci­ta­ção em outu­bro do ano pas­sa­do sobre irri­ga­ção loca­li­za­da até ago­ra, vári­os ins­tru­to­res mos­tra­ram para os pro­du­to­res rurais, duran­te os trei­na­men­tos nos esta­dos, as faci­li­da­des do uso do Irri­gas, reve­la Débo­ra Camar­go, do Ino­va­gri. “O resul­ta­do que temos é que todo mun­do que está usan­do o Irri­gas dimi­nuiu de 20 a 30% o con­su­mo de água e a con­ta de ener­gia tam­bém dimi­nuiu consideravelmente.

Na Bahia, a seca tam­bém está afe­tan­do os pro­du­to­res rurais, reve­la o ins­tru­tor João Júni­or. Segun­do ele, o trei­na­men­to veio para afi­nar o conhe­ci­men­to e dei­xar as tec­no­lo­gi­as de irri­ga­ção mais aces­sí­veis ao pro­du­tor. “Esse conhe­ci­men­to será de gran­de valia por­que vamos poder aju­dar o pro­du­tor a ter mais cui­da­do com esse recur­so tão impor­tan­te para todos nós que é a água.”

Ani­ma­do com a reper­cus­são do cur­so, o coor­de­na­dor do pro­gra­ma, Rafa­el Die­go Nas­ci­men­to da Cos­ta, afir­ma que a ideia do SENAR com a ini­ci­a­ti­va é essa: “mos­trar para o pro­du­tor que é pos­sí­vel ter efi­ci­ên­cia e oti­mi­zar o uso da água com os sis­te­mas de irri­ga­ção, tra­zen­do assim, mais eco­no­mia para a pro­pri­e­da­de rural.”

Duran­te as aulas prá­ti­cas, os pro­fis­si­o­nais tam­bém conhe­ce­ram o sis­te­ma de irri­ga­ção por pivô cen­tral, em uma pro­pri­e­da­de em Cris­ta­li­na-GO que uti­li­za para irri­ga­ção de pas­to, fru­tas e grãos. O Pro­gra­ma do SENAR pre­vê ain­da outra capa­ci­ta­ção para os ins­tru­to­res, o tema será sis­te­ma de irri­ga­ção por super­fí­cie e inundação.

Rolar para cima