Bezerras: importância da colostragem - Digital Balde Branco

PERGUNTAS E RESPOSTAS

BEZERRAS

Importância da colostragem 

Sob o patrocínio do programa Alta Cria, a Balde Branco vai publicar nesta seção – Perguntas e Respostas – uma série de matérias com informações sobre as Boas Práticas na Criação de Bezerras, sob a orientação de Rafael Azevedo, gerente de produto da Alta Genetics e coordenador e conselheiro do programa Alta Cria

A cri­a­ção de bezer­ras é uma das fases mais impor­tan­tes da pecuá­ria lei­tei­ra, pois ela com­pre­en­de a repo­si­ção gené­ti­ca, visan­do sem­pre a ani­mais cada vez mais pro­du­ti­vos e sau­dá­veis no futu­ro do reba­nho. Saber geren­ci­ar os núme­ros e conhe­cer os prin­ci­pais índi­ces zoo­téc­ni­cos é de suma impor­tân­cia para alcan­çar os obje­ti­vos, tra­çar metas e estra­té­gi­as que defi­ni­rão o suces­so da cri­a­ção das bezer­ras, bem como auxi­li­ar na toma­da de deci­sões de mane­jos e nos rumos da ciên­cia nacional.

O pro­gra­ma Alta Cria sur­giu em 2017, com o obje­ti­vo de levan­tar os prin­ci­pais índi­ces zoo­téc­ni­cos na fase de cria, auxi­li­an­do o geren­ci­a­men­to e per­mi­tin­do um pano­ra­ma da cri­a­ção naci­o­nal de bezer­ras. O pro­gra­ma é com­pos­to por um sele­to gru­po de con­se­lhei­ros e de téc­ni­cos que dis­cu­tem e tra­ba­lham os resul­ta­dos e as ino­va­ções rela­ci­o­na­das a essa fase de cri­a­ção, con­tan­do com gran­de par­ti­ci­pa­ção dos res­pon­sá­veis técnicos/proprietários de fazen­das comer­ci­ais, dis­tri­buí­das em qua­se todo o ter­ri­tó­rio nacional.

Em 2019, par­ti­ci­pa­ram do pro­gra­ma mais de 80 fazen­das, com um gru­po de pro­du­to­res com­pro­me­ti­dos em levan­tar núme­ros e tra­ba­lhar no geren­ci­a­men­to de indi­ca­do­res zoo­téc­ni­cos na área de cri­a­ção de bezerras.

Um dos pon­tos for­tes do pro­gra­ma é levan­tar dis­cus­sões e ten­tar cri­ar solu­ções para os desa­fi­os que sur­gem no mane­jo das bezer­ras no dia a dia. Nes­se con­tex­to, nas­ceu a ideia de se cri­ar um livro de per­gun­tas e res­pos­tas, que fos­se prá­ti­co e sim­ples, com per­gun­tas coti­di­a­nas e res­pos­tas apli­cá­veis. Todas as per­gun­tas foram res­pon­di­das por pro­fis­si­o­nais capa­ci­ta­dos e espe­ci­a­lis­tas nas suas res­pec­ti­vas áre­as, os quais se res­pon­sa­bi­li­zam pelo con­teú­do respondido.

COLOSTRAGEM


Qual o melhor tipo de colos­tro para ser for­ne­ci­do à recém-nas­ci­da?
Colos­tro obti­do com higi­e­ne, garan­tin­do a qua­li­da­de sani­tá­ria míni­ma de <100.000 UFC/mL para con­ta­gem total em pla­cas, que con­te­nha qua­li­da­de imu­no­ló­gi­ca reco­men­da­da de, no míni­mo, 50 g/L de imu­no­glo­bu­li­nas e que seja livre de qual­quer tipo de doen­ça que pos­sa ser trans­mi­ti­da da mãe para filha.

Qual a quan­ti­da­de ide­al (litros) de colos­tro deve ser for­ne­ci­da para a bezer­ra?
O reco­men­da­do é que a bezer­ra rece­ba, no míni­mo, 10% do seu peso cor­po­ral nas pri­mei­ras duas horas de vida. Assim, se a bezer­ra nas­ce com 40 kg, ela deve­rá rece­ber, no míni­mo, 4 litros de colos­tro nas pri­mei­ras duas horas de vida. É impor­tan­te res­sal­tar que, quan­to mais colos­tro essa bezer­ra rece­ber, mai­o­res serão os bene­fí­ci­os do pon­to de vis­ta de saú­de e, con­se­quen­te­men­te, de desem­pe­nho do ani­mal. Sen­do assim, exis­tem indi­ca­ções que as bezer­ras devem rece­ber entre 15% e 20% do peso cor­po­ral nas pri­mei­ras 12 horas de vida.

Além da qua­li­da­de, da quan­ti­da­de e do tem­po de for­ne­ci­men­to do colos­tro após o nas­ci­men­to, o que mais pode influ­en­ci­ar a qua­li­da­de da colos­tra­gem da bezer­ra?
A efi­ci­ên­cia da colos­tra­gem é deter­mi­na­da basi­ca­men­te pela quan­ti­da­de, qua­li­da­de imu­no­ló­gi­ca e sani­tá­ria do colos­tro, além do tem­po após o nas­ci­men­to para o seu for­ne­ci­men­to. Porém, tra­ba­lhos tam­bém demons­tram que exis­tem fato­res da recém-nas­ci­da que podem influ­en­ci­ar essa efi­ci­ên­cia, como o tipo de par­to, sen­do que par­tos com­pli­ca­dos redu­zem a efi­ci­ên­cia de absor­ção de anti­cor­pos pelo ani­mal. Outros fato­res que podem influ­en­ci­ar de for­ma nega­ti­va são, por exem­plo, estres­se tér­mi­co da vaca no perío­do de pré-par­to, estres­se da bezer­ra, pas­teu­ri­za­ção incor­re­ta do colos­tro e tem­pe­ra­tu­ra incor­re­ta de descongelamento.

O enri­que­ci­men­to do colos­tro fres­co com o colos­tro em pó, para mai­o­res valo­res de Brix, per­mi­te a redu­ção na quan­ti­da­de de volu­me reco­men­da­da no for­ne­ci­men­to (10% do peso cor­po­ral ao nas­ci­men­to)?
O míni­mo que uma recém-nas­ci­da neces­si­ta de IgG são 100 gra­mas e reco­men­da­ções mais atu­ais já indi­cam de 150 a 200 g de IgG, o mais rápi­do pos­sí­vel após o nas­ci­men­to. Con­si­de­ran­do 1 litro de colos­tro com Brix de 22%, temos 50 g/L de IgG, de for­ma que o for­ne­ci­men­to de 4 litros des­se colos­tro esta­ria for­ne­cen­do 200 g de IgG para a recém-nas­ci­da. Quan­do con­cen­tra­mos o colos­tro, adi­ci­o­nan­do-se colos­tro em pó, con­se­gui­mos for­ne­cer, em 1 litro de colos­tro, mai­or quan­ti­da­de de IgG, o que nos per­mi­te tra­ba­lhar com volu­me menor, quan­do neces­sá­rio. Este é o caso, por exem­plo, de ani­mais com bai­xo vigor e menor refle­xo de mama­da, nor­mal­men­te aque­les pro­ve­ni­en­tes de par­tos auxi­li­a­dos. Nes­ses casos, fica mais fácil for­ne­cer a dose de imu­no­glo­bu­li­nas ade­qua­da em menor volu­me, seja por mama­da volun­tá­ria ou pela uti­li­za­ção de son­da. É impor­tan­te lem­brar que, quan­to mais colos­tro a recém-nas­ci­da rece­ber, melhor será para ela. (Con­ti­nua na pró­xi­ma edição)


(Fon­te: “Cri­a­ção de Bezer­ras Lei­tei­ras – Per­gun­tas e Res­pos­tas Alta Cria”, publi­ca­ção da Alta Genetics)


Veja mais: Assis­ta na TV Bal­de Bran­co à “Vaci­na­ção da vaca ges­tan­te, visan­do for­ta­le­cer a imu­ni­da­de das bezer­ras”, entre­vis­ta com o prof. Rodri­go Otá­vio Sil­vei­ra da Sil­va, da UFMG e con­se­lhei­ro do pro­gra­ma Alta Cria. www.baldebranco.com.br

Rolar para cima