balde branco

A intensificação da eficiência nos processos de produção é uma busca constante da Fazenda Palmito. Com isso, tem elevado a produtividade e projetado a qualidade do leite como referência


Denise Bueno

Para atingir a média de 40 kg de leite/vaca/dia, os investimentos na capacitação de quem trabalha na Fazenda Palmito, localizada em Boa Esperança-MG, são constantes. A proprietária, Maria Antonieta Guazzelli, que administra a propriedade, e a gerente Olga Oliveira dão o exemplo. No final do ano passado concluíram mais um curso de capacitação na Clínica do Leite/Esalq, em Piracicaba-SP, enquanto outros três membros da equipe, formada por 24 pessoas, estão escalados para a mesma formação neste ano que se inicia.

Esta é apenas uma das ações integradas observadas no projeto de gestão da propriedade. Combinar instrução, treinamento e eficiência dita a ordem das prioridades para se obter índices cada vez melhores, a partir da otimização dos processos de rotina. “Nós crescemos muito nos últimos anos, o que exigiu mais eficiência para administrar mais animais, mais leite, mais alimentos. Passamos a ser exigidos a ter mais controle dos números para nos ajustarmos a novos patamares”, relata ela.

E foi com essa determinação que Antonieta e o irmão Otávio Guazzelli assumiram a fazenda em 2002, após o falecimento do pai, ‘seu’ Reynaldo, fundador do tradicional Laticínios Rex, empresa sediada em Poços de Caldas-MG e mantida pela família por meio século. Entre os anos de 2002 e 2013, enquanto se preparava para entender melhor o contexto da atividade leiteira e do agronegócio, Antonieta atuava no setor de tecnologia da informação, área em que trabalhou por quase 30 anos.

Hoje, os resultados da Fazenda Palmito e o trabalho da produtora começam a mostrar resultados. Em 2016 foi condecorada com a Medalha do Mérito Rural, homenagem concedida pela Faemg-Federação da Agricultura e Pecuária de Minas Gerais às pessoas que têm contribuído com seu trabalho para melhoria do meio rural no Estado. Ela também foi indicada a ser membro do Núcleo Feminino do Agronegócio e, como produtora de leite, atualmente ocupa a 23ª posição no ranking Top 100 de maiores fazendas do portal Milkpoint.

Tais reconhecimentos são resultados do crescimento da Fazenda Palmito nos últimos anos. Há três anos, desde que optou por se dedicar exclusivamente à administração do projeto, Antonieta acompanha de perto cada passo dado por sua equipe, reservando uma semana por mês para viver a atividade no seu dia a dia, já que sua gestão é realizada a distância, da capital paulista, onde reside e administra as funções relacionadas ao financeiro, compras e administrativo via internet e telefone.

Leia a íntegra desta matéria na edição Balde Branco 629, de março 2017

Abrir bate-papo
1
Escanear o código
Olá 👋
Podemos ajudá-lo?