Cartas - Digital Balde Branco

CAR­TAS

QUAL O MELHOR TIPO DE SOLO E A MELHOR LOCA­LI­ZA­ÇÃO PARA A FOR­MA­ÇÃO DE CAPI­NEI­RAS?
Jor­ge Albu­quer­que – por e‑mail

Pes­qui­sa­do­res da Embra­pa Gado de Lei­te ori­en­tam que, para a for­ma­ção de capi­nei­ras, o solo deve ter estru­tu­ra leve e boa fer­ti­li­da­de. Sua loca­li­za­ção em rela­ção aos está­bu­los é mui­to impor­tan­te: quan­to mais pró­xi­ma a capi­nei­ra, mais fácil é a dis­tri­bui­ção de deje­tos orgâ­ni­cos, e mais bara­to é o trans­por­te da for­ra­gem cor­ta­da para for­ne­cer aos ani­mais no cocho. Nor­mal­men­te, são uti­li­za­dos os solos loca­li­za­dos no seg­men­to da pai­sa­gem conhe­ci­do como ter­ra­ço (área pla­na da pro­pri­e­da­de que não está sujei­ta a inun­da­ção). Nes­se seg­men­to, via de regra, estão loca­li­za­dos a mora­dia do pro­pri­e­tá­rio, o cur­ral, a sala de orde­nha e as prin­ci­pais cul­tu­ras pro­du­zi­das na pro­pri­e­da­de. Assim, é nes­te local que deve ser ins­ta­la­da a capi­nei­ra, pois faci­li­ta o trans­por­te da for­ra­gem colhi­da. Tam­bém é o ter­ra­ço que apre­sen­ta, em geral, os solos mais fér­teis em uma propriedade.

É VIÁ­VEL A PRO­DU­ÇÃO DE ALFA­FA EM REGIÕES TRO­PI­CAIS?
San­dro Moreira

As pes­qui­sas com alfa­fa em regiões tro­pi­cais, prin­ci­pal­men­te no Bra­sil, são recen­tes e sem­pre indi­cam essa legu­mi­no­sa como volu­mo­so de alta pro­du­ti­vi­da­de e valor nutri­ti­vo. Assim, tra­ba­lhos rea­li­za­dos pela Embra­pa Gado de Lei­te na região Sudes­te mos­tram que, sob con­di­ções de irri­ga­ção no perío­do da seca, é pos­sí­vel obter pro­du­ções anu­ais de maté­ria seca de, apro­xi­ma­da­men­te, 27 tone­la­das por hec­ta­re, com um teor de 25% de pro­teí­na bruta.

A AFIR­MA­ÇÃO “SOLO POBRE, FOR­RA­GEM POBRE” É COR­RE­TA?
José de Castro

Publi­ca­ções da Embra­pa Gado de Lei­te indi­cam que há, geral­men­te, uma rela­ção dire­ta entre a qua­li­da­de e, prin­ci­pal­men­te, a quan­ti­da­de de for­ra­gem pro­du­zi­da e o nível de fer­ti­li­da­de do solo. Entre­tan­to, exis­tem algu­mas for­ra­gei­ras, adap­ta­das às con­di­ções de bai­xa fer­ti­li­da­de do solo, capa­zes de pro­du­zir for­ra­gem de média qua­li­da­de, como o capim-gor­du­ra e a Bra­chi­a­ria decum­bens. A cor­re­ção da fer­ti­li­da­de do solo mini­mi­za essa situação.

Erra­ta | Na edi­ção de outu­bro 2019, na pág. 47, 2.º pará­gra­fo, o nome do pro­du­tor é Rodri­go Fei­jó da Cos­ta, e a Fazen­da Ôme­ga, em Cas­tro, divi­sa com Carambeí-PR.

Rolar para cima