Cartas - Edição 665 - Digital Balde Branco

CARTAS

Em relação à imunidade contra os agentes da tristeza parasitária, como proceder com os bezerros criados em bezerreiros ou casinhas, com acesso a piquetes somente após 60 a 90 dias?
Inácio Bezerra

A Embra­pa Gado de Lei­te infor­ma que ao mamar o colos­tro o mais cedo pos­sí­vel, prin­ci­pal­men­te nas pri­mei­ras 24 horas de vida, os bezer­ros recém-nas­ci­dos rece­bem da mãe as pri­mei­ras defe­sas con­tra os agen­tes de doen­ças. A par­tir daí, neces­si­tam man­ter con­ta­to com peque­nas quan­ti­da­des des­ses agen­tes para que desen­vol­vam seu pró­prio sis­te­ma de defe­sa. Por­tan­to, bezer­ros cri­a­dos sem con­ta­to com car­ra­pa­tos pre­ci­sam ter aces­so a pique­tes uma ou duas vezes por sema­na, onde pos­sam ser infes­ta­dos por um núme­ro mode­ra­do de car­ra­pa­tos para que rece­bam peque­nas quan­ti­da­des de Babe­sia spp., enquan­to pro­te­gi­dos pelos anti­cor­pos do colostro.

O que é tratamento ou terapia da vaca seca?
Milton Ramalho

Segun­do téc­ni­cos da Embra­pa Gado de Lei­te, sig­ni­fi­ca o tra­ta­men­to de todos os quar­tos mamá­ri­os com anti­bió­ti­co, depois da últi­ma orde­nha, no fim da lac­ta­ção (iní­cio do perío­do seco). Para que essa prá­ti­ca seja efe­ti­va, deve-se apli­car o anti­bió­ti­co em todos os quar­tos mamá­ri­os no dia da seca­gem. O tra­ta­men­to da vaca seca é mui­to impor­tan­te para a redu­ção da mas­ti­te sub­clí­ni­ca do reba­nho e para redu­zir novas infec­ções que pos­sam vir a ocor­rer nas pri­mei­ras sema­nas e no res­tan­te do perío­do seco. Por isso, a tera­pia da vaca seca deve ser rea­li­za­da em todas as vacas e não somen­te nas que apre­sen­ta­ram mas­ti­te duran­te a lac­ta­ção. Os medi­ca­men­tos para a tera­pia da vaca seca são pró­pri­os para esse perío­do, pois per­mi­tem a libe­ra­ção len­ta da dro­ga, de modo a man­ter os níveis tera­pêu­ti­cos por vári­as semanas.

Rolar para cima