Castrolanda cancela o Agroleite 2021 - Digital Balde Branco

CURTAS

Castrolanda cancela o Agroleite 2021

A Coo­pe­ra­ti­va Cas­tro­lan­da, por meio da orga­ni­za­ção do Agro­lei­te, defi­niu, no dia 14 de abril, pelo can­ce­la­men­to da edi­ção 2021 da fei­ra. Even­to refe­rên­cia inter­na­ci­o­nal, que tinha calen­dá­rio pre­vis­to entre os dias 10 e 14 de agos­to na Cida­de do Lei­te, Par­que de Expo­si­ções Dario Mace­do em Cas­tro (PR), não será rea­li­za­do pre­sen­ci­al­men­te nes­te ano e tem como prin­ci­pal moti­vo o cui­da­do da Cas­tro­lan­da com todos os envol­vi­dos, bem como a pre­o­cu­pa­ção cons­tan­te com a rea­li­da­de enfren­ta­da pelo País no que diz res­pei­to à pandemia.

Pesquisadores de MS desenvolvem vacina contra carrapato bovino

O pre­juí­zo cau­sa­do pela pre­sen­ça de car­ra­pa­tos nos reba­nhos bovi­nos bra­si­lei­ros gira em tor­no dos US$ 3,2 bilhões ao ano. Este cená­rio está pres­tes a mudar gra­ças ao tra­ba­lho de pes­qui­sa­do­res da Embra­pa Gado de Cor­te, que sob a coor­de­na­ção do dou­tor em bio­lo­gia mole­cu­lar, Rena­to Andre­ot­ti, desen­vol­ve­ram, jun­to a um labo­ra­tó­rio far­ma­cêu­ti­co, aque­la que pode­rá se tor­nar a pri­mei­ra vaci­na con­tra o car­ra­pa­to em cir­cu­la­ção no País. De acor­do com Andre­ot­ti, a vaci­na pos­sui efi­cá­cia de 69% e deve­rá ser apli­ca­da dose de refor­ço a cada 6 meses. A vaci­na con­tra o car­ra­pa­to bovi­no já teve seu depó­si­to de paten­te apro­va­do e pode che­gar ao mer­ca­do bra­si­lei­ro em breve.

Guia para avaliação de produtos veterinários 

O Con­se­lho Regi­o­nal de Medi­ci­na Vete­ri­ná­ria do Esta­do de São Pau­lo lan­çou o Guia de Boas Prá­ti­cas Clí­ni­cas para Ava­li­a­ção de Pro­du­tos Vete­ri­ná­ri­os. Tra­ta-se de um mate­ri­al iné­di­to no Bra­sil, que visa con­tri­buir para com a efi­ci­ên­cia na rea­li­za­ção de estu­dos clí­ni­cos. O mate­ri­al está dis­po­ní­vel onli­ne e foi apre­sen­ta­do, em mar­ço, ao Minis­té­rio da Agri­cul­tu­ra. O docu­men­to elen­ca dire­tri­zes não ape­nas para o cum­pri­men­to de regras muni­ci­pais, esta­du­ais e fede­rais. Os pro­to­co­los suge­ri­dos focam o bem-estar ani­mal, a con­du­ta das equi­pes envol­vi­das, os cui­da­dos com os ambi­en­tes, bem como o con­tro­le de resí­du­os e a sus­ten­ta­bi­li­da­de. Aces­se o guia em: https://www.crmvsp.gov.br/Materiais/GUIA_DE_BOAS_PRATICAS_CLNICAS.pdf

Cooperativas investem em plataforma digital pioneira

A Fede­ra­ção das Coo­pe­ra­ti­vas Agro­pe­cuá­ri­as do RS (Fecogro/RS) apre­sen­tou, em semi­ná­rio vir­tu­al, no dia 20 de abril, a pla­ta­for­ma Smart­Co­op. O sis­te­ma irá inte­grar 30 das mai­o­res coo­pe­ra­ti­vas agro­pe­cuá­ri­as do RS e milha­res de pro­du­to­res em um ecos­sis­te­ma de ino­va­ção digi­tal. Segun­do o pre­si­den­te da Fecoagro/RS, Pau­lo Pires, a fer­ra­men­ta é um divi­sor de águas para a pro­du­ção gaú­cha por­que agre­ga­rá um ganho expres­si­vo de com­pe­ti­ti­vi­da­de aos coo­pe­ra­dos. “Temos em mãos uma tec­no­lo­gia que, além de faci­li­tar o dia a dia do pro­du­tor, per­mi­ti­rá que ele nego­cie sua pro­du­ção e pos­sa adqui­rir em sua coo­pe­ra­ti­va pro­du­tos em melho­res pre­ços, que este­ja ao lado da coo­pe­ra­ti­va 24 horas por dia mes­mo não estan­do lá fisi­ca­men­te”, pontua.

Queijo do marajó recebe registro de identificação geográfica

Com uma tra­di­ção de mais de 200 anos de his­tó­ria, o quei­jo do Mara­jó, pro­du­zi­do no Esta­do do Pará, con­quis­tou recen­te­men­te o regis­tro de Indi­ca­ção de Pro­ce­dên­cia, con­ce­di­do pelo Ins­ti­tu­to Naci­o­nal da Pro­pri­e­da­de Indus­tri­al (Inpi). Com o títu­lo, o quei­jo pre­pa­ra­do de for­ma arte­sa­nal, a par­tir do lei­te cru de búfa­las cri­a­das na região, con­quis­ta um reco­nhe­ci­men­to impor­tan­te para pro­te­ção do seu valor como patrimô­nio da tra­di­ção pro­du­ti­va da cul­tu­ra local dos muni­cí­pi­os de Cacho­ei­ra do Ara­ri, Cha­ves, Mua­ná, Pon­ta de Pedras, Sal­va­ter­ra, San­ta Cruz do Ara­ri e Sou­re. Essas loca­li­da­des fazem par­te do ter­ri­tó­rio da Ilha do Mara­jó. Além dis­so, com a IG o pro­du­to ganha mai­or chan­ce de con­quis­tar novos mer­ca­dos, pro­mo­ven­do o desen­vol­vi­men­to econô­mi­co local.

Cooperativas investem em plataforma digital pioneira

Com o apoio da Asso­ci­a­ção Bra­si­lei­ra dos Cri­a­do­res de Búfa­los (ABCB), o Ins­ti­tu­to de Zoo­tec­nia (IZ), de São Pau­lo, esta­be­le­ceu par­ce­ri­as para a trans­fe­rên­cia de tec­no­lo­gi­as de dois de seus rele­van­tes Labo­ra­tó­ri­os – o de Bio­tec­no­lo­gia e o de Aná­li­se de Lei­te. Em Regis­tro (SP), onde está a Uni­da­de de Pes­qui­sa e Desen­vol­vi­men­to (UPD) do IZ, con­cen­tram-se 12.500 cabe­ças de búfa­los. “A uni­da­de con­duz cin­co linhas de pes­qui­sas, como pro­du­ção ani­mal, inse­mi­na­ção arti­fi­ci­al em tem­po fixo (IATF), pro­du­ção in vivo (SOV) e in vitro (PIVE) de embriões e trans­fe­rên­cia de embriões em tem­po fixo (TETF), con­tan­do com apoio da Fapesp e CNPq”, deta­lha o pes­qui­sa­dor Nél­cio Antô­nio Toniz­za de Car­va­lho, che­fe da Unidade.

Rolar para cima