CFMV lança Banco Conhecimento - Digital Balde Branco

Pla­ta­for­ma de Ensi­no à Dis­tân­cia cri­a­da pelo Con­se­lho Fede­ral de Medi­ci­na Vete­ri­ná­ria ofe­re­ce con­teú­do com­ple­men­tar aos cur­sos de aduação

O CFMV-Con­se­lho Fede­ral de Medi­ci­na Vete­ri­ná­ria lan­çou no últi­mo dia 6 de mar­ço o Seres — Ban­co de Conhe­ci­men­to da Medi­ci­na Vete­ri­ná­ria e Zoo­tec­nia. Tra­ta-se de uma pla­ta­for­ma de Ensi­no a Dis­tân­cia (EaD) de aces­so gra­tui­to, e aber­to para pro­fis­si­o­nais, edu­ca­do­res, estu­dan­tes e demais mem­bros da soci­e­da­de. O site é cola­bo­ra­ti­vo, isto é, per­mi­te que enti­da­des par­cei­ras, médi­cos vete­ri­ná­ri­os e zoo­tec­nis­tas regis­trem e com­par­ti­lhem con­teú­do pela rede. No seu lan­ça­men­to, Seres já con­ta com um acer­vo de mais de 2 mil obje­tos de apren­di­za­gem, entre arti­gos cien­tí­fi­cos, víde­os e ima­gens sobre diver­sos temas.

O obje­ti­vo da ini­ci­a­ti­va é trans­for­mar, orga­ni­zar e faci­li­tar a dis­tri­bui­ção do conhe­ci­men­to da medi­ci­na vete­ri­ná­ria e da zoo­tec­nia, for­ne­cen­do uma fer­ra­men­ta com­ple­men­tar de edu­ca­ção que pode ser mol­da­da e aces­sa­da de acor­do com as neces­si­da­des do usuá­rio. O pre­si­den­te do CFMV, Bene­di­to For­tes de Arru­da, afir­ma que essa é uma demons­tra­ção que enti­da­de tem com a cole­ti­vi­da­de. “Tra­ta-se de um ins­tru­men­to que pre­en­che­rá as lacu­nas exis­ten­tes na for­ma­ção pro­fis­si­o­nal, opor­tu­ni­zan­do conhe­ci­men­tos mais pro­fun­dos e espe­cí­fi­cos de vári­os assun­tos da área”, afirma.

A pro­pos­ta é ofe­re­cer aos estu­dan­tes e pro­fis­si­o­nais aces­so a uma vas­ta sele­ção de con­teú­do com­ple­men­tar àque­le ensi­na­do no cur­so de gra­du­a­ção, dan­do a opor­tu­ni­da­de de médi­cos vete­ri­ná­ri­os e zoo­tec­nis­tas de todo o país ampli­a­rem seu conhe­ci­men­to a res­pei­to dos temas mais moder­nos. Como a pla­ta­for­ma está em cons­tan­te cons­tru­ção, ela será sem­pre atu­a­li­za­da de acor­do com a evo­lu­ção do conhe­ci­men­to da medi­ci­na vete­ri­ná­ria e da zootecnia.

O secre­tá­rio-geral do CFMV, Mar­cel­lo Roza, res­sal­ta que o ban­co não tem o obje­ti­vo de subs­ti­tuir o ensi­no tra­di­ci­o­nal. A inten­ção do Con­se­lho ao cri­ar a pla­ta­for­ma é dis­po­ni­bi­li­zar um canal para o cons­tan­te aper­fei­ço­a­men­to do médi­co vete­ri­ná­rio e do zoo­tec­nis­ta, de acor­do com os seus inte­res­ses pro­fis­si­o­nais. No lan­ça­men­to, a pla­ta­for­ma con­ta com cin­co cur­sos pro­du­zi­dos pelo CFMV: Res­pon­sa­bi­li­da­de Téc­ni­ca (RT) em Ani­mais Sel­va­gens; RT em Sani­da­de na Pis­ci­cul­tu­ra; RT em ins­ta­la­ções ani­mais; e dois módu­los de Medi­ci­na Vete­ri­ná­ria Legal. No futu­ro, esse catá­lo­go deve ser expan­di­do com a inclu­são de cur­sos cri­a­dos pelos pró­pri­os usuá­ri­os e par­cei­ros por meio da pla­ta­for­ma colaborativa.

Por meio do Ban­co de Conhe­ci­men­to os usuá­ri­os terão aces­so a uma fon­te de pes­qui­sa e estu­do con­fiá­vel e dinâ­mi­ca, que esti­mu­la o apren­di­za­do con­tí­nuo sob um pon­to de vis­ta vol­ta­do para a pro­mo­ção da saú­de e do bem-estar. “É um local úni­co onde se pode aces­sar a infor­ma­ção de manei­ra extre­ma­men­te orde­na­da e estra­ti­fi­ca­da”, des­cre­ve Mar­cel­lo Roza. “Quan­do você aces­sa o Ban­co do Conhe­ci­men­to, você aces­sa infor­ma­ção que já foi sis­te­ma­ti­za­da. Mui­tas vezes, quan­do você usa meca­nis­mos de bus­ca comum encon­tra mui­ta infor­ma­ção, mas não sabe a qua­li­da­de”, compara.

O sis­te­ma é cola­bo­ra­ti­vo. Será con­ti­nu­a­men­te cons­truí­do com a aju­da de edu­ca­do­res e pro­fis­si­o­nais. De uma for­ma sim­ples e intui­ti­va, os usuá­ri­os pode­rão inse­rir obje­tos de apren­di­za­gem na pla­ta­for­ma e orga­ni­zá-los em pai­néis ou cur­sos dife­ren­tes ou, ain­da, dis­po­ni­bi­li­zar o uso des­se mate­ri­al em con­teú­dos cri­a­dos por outras pes­so­as. Des­sa for­ma, um mes­mo obje­to pode ser comi­na­do e aces­sa­do em dife­ren­tes con­tex­tos edu­ca­ci­o­nais, cons­truí­dos pelos pró­pri­os usuá­ri­os. Mais infor­ma­ções: seres.cfmv.gov.br

Rolar para cima