Com demanda retraída preços caem em janeiro - Digital Balde Branco

COLUNA DO CEPEA

Natália Grigol

Pesquisadora do Cepea

  Em 2020, a reto­ma­da da pro­du­ção não tem ocor­ri­do de for­ma inten­sa, já que as con­di­ções cli­má­ti­cas foram menos favoráveis”

Com demanda retraída preços caem em janeiro

Pes­qui­sas do Cepea (Cen­tro de Estu­dos Avan­ça­dos em Eco­no­mia Apli­ca­da), da Esalq/USP, apon­tam que o pre­ço do lei­te cap­ta­do em dezem­bro de 2020 e pago aos pro­du­to­res em janei­ro de 2021 regis­tou que­da de 4,3% na “Média Bra­sil” líqui­da, che­gan­do a R$ 2,0344/litro. Ain­da assim, o valor é 42,6% mai­or do que o regis­tra­do no mes­mo perío­do de 2020 e repre­sen­ta um novo recor­de de pre­ço para o mês de janei­ro.

A des­va­lo­ri­za­ção do lei­te no cam­po este­ve atre­la­da à mai­or pres­são dos canais de dis­tri­bui­ção jun­to às indús­tri­as, uma vez que a deman­da se enfra­que­ceu con­si­de­ra­vel­men­te duran­te dezem­bro e janei­ro. Cola­bo­ra­do­res con­sul­ta­dos pelo Cepea infor­ma­ram que, dian­te da ins­ta­bi­li­da­de do con­su­mo, há um esfor­ço das indús­tri­as em ajus­tar a pro­du­ção para man­ter os esto­ques con­tro­la­dos, de modo a evi­tar que­das mais brus­cas de pre­ços.

Pes­qui­sas do Cepea, com apoio finan­cei­ro da OCB, apon­ta­ram mui­ta osci­la­ção de pre­ços dos deri­va­dos lác­te­os duran­te dezem­bro e a con­so­li­da­ção da ten­dên­cia de que­da nas cota­ções duran­te janei­ro. Esse cená­rio se jus­ti­fi­ca pela redu­ção da deman­da agre­ga­da e a per­da do poder de con­su­mo do bra­si­lei­ro – devi­do à pan­de­mia, ao fim do auxí­lio emer­gen­ci­al e à alta do desem­pre­go. Esses fato­res devem con­ti­nu­ar desa­ce­le­ran­do o con­su­mo de lác­te­os nos pró­xi­mos meses – o que, por sua vez, ten­de a pres­si­o­nar as indús­tri­as a dimi­nuí­rem os pata­ma­res de pre­ços do lei­te pagos aos pro­du­to­res.

Ape­sar de haver uma pers­pec­ti­va de que­da nos pre­ços do lei­te no cam­po para feve­rei­ro e mar­ço, espe­ra-se que a média nes­te pri­mei­ro tri­mes­tre em 2021 ultra­pas­se os veri­fi­ca­dos no mes­mo perío­do de 2020 (quan­do a média foi de R$ 1,4655/litro, em ter­mos reais – os valo­res foram defla­ci­o­na­dos pelo IPCA de dezembro/20).

A pes­qui­sa do Cepea ain­da apon­ta que, em dezem­bro, a cap­ta­ção das indús­tri­as cres­ceu 1,26% fren­te ao mês ante­ri­or, de acor­do com o Índi­ce de Cap­ta­ção Lei­tei­ra (ICAP‑L), puxa­da pelos res­pec­ti­vos aumen­tos de 4,6% e 4,0% em SC e em SP. Para agen­tes do setor, o incre­men­to na pro­du­ção de lei­te, que é típi­co do perío­do, tem se dado de for­ma mais len­ta devi­do ao aumen­to dos cus­tos de pro­du­ção.

Assim, mes­mo que os pre­ços do lei­te este­jam em pata­ma­res con­si­de­ra­dos altos para o perío­do do ano, a valo­ri­za­ção con­si­de­rá­vel e con­tí­nua dos grãos (prin­ci­pais com­po­nen­tes dos cus­tos de pro­du­ção da pecuá­ria lei­tei­ra) tem com­pro­me­ti­do a ren­ta­bi­li­da­de do pro­du­tor e limi­ta­do o poten­ci­al de cres­ci­men­to da ati­vi­da­de.

Pes­qui­sas do Cepea mos­tram que a rela­ção de tro­ca média em 2020 foi de 34,3 litros de lei­te para a aqui­si­ção de uma saca de milho de 60 kg, um aumen­to de 21,8% em rela­ção a 2019, quan­do eram pre­ci­sos 28,2 litros para rea­li­zar a mes­ma tro­ca. A expec­ta­ti­va para janei­ro é que essa rela­ção ultra­pas­se os 40 litros.


*Co-auto­ra: Juli­a­na Santos

Rolar para cima