Consultores são os principais responsáveis pela difusão da tecnologia no agro - Digital Balde Branco

OPINIÃO

Leandro Paz

Gerente de desenvolvimento de novos negócios do Farmbox 

“A quantidade de informações agronômicas geradas pelos consultores durante suas visitas é essencial para o embasamento de suas próprias recomendações”

Consultores são os principais responsáveis pela difusão da tecnologia no agro

Atu­al­men­te, esta­mos viven­ci­an­do a cha­ma­da agri­cul­tu­ra 5.0, na qual temos a inclu­são de fer­ra­men­tas digi­tais no agro­ne­gó­cio. O mer­ca­do agrí­co­la, de manei­ra geral, vem res­pon­den­do de manei­ra posi­ti­va em rela­ção à digi­ta­li­za­ção e os con­sul­to­res são os prin­ci­pais res­pon­sá­veis pela difu­são des­sas novas tec­no­lo­gi­as no cam­po. Isso por­que eles estão em con­ta­to cons­tan­te e apre­sen­tam cre­di­bi­li­da­de jun­to a pro­du­to­res e repre­sen­tan­tes de reven­das de insu­mos ou cooperativas.

Os pro­du­to­res rurais apre­sen­tam um per­fil um pou­co dife­ren­te do que vía­mos alguns anos atrás, que­ren­do cons­tan­te­men­te sair do padrão, bus­car mais resul­ta­dos e aumen­to de efi­ci­ên­cia em cada pro­ces­so exe­cu­ta­do. Essa nova gera­ção de agri­cul­to­res é mais conec­ta­da, mais aber­ta a novas idei­as. Tra­ta-se de uma gera­ção que está assu­min­do car­gos impor­tan­tes e, assim, gran­des responsabilidades.

Com isso, os con­sul­to­res ganham for­ça e demons­tram um novo jei­to de gerar valor duran­te os aten­di­men­tos a cada cli­en­te. Eles são os res­pon­sá­veis por levar solu­ções ino­va­do­ras, apre­sen­tar as novas pos­si­bi­li­da­des que a tec­no­lo­gia ofe­re­ce e pro­por­ci­o­nar o avan­ço de cada pro­du­tor aten­di­do. Isso pode fazer toda a dife­ren­ça nos resul­ta­dos de ambas as partes.

As fer­ra­men­tas digi­tais podem ser usa­das pelo pró­prio con­sul­tor, para que ele cons­trua uma visão inte­gra­da da pro­pri­e­da­de, acom­pa­nhan­do a lavou­ra, regis­tran­do moni­to­ra­men­tos, reco­men­dan­do apli­ca­ções e apre­sen­tan­do resul­ta­dos base­a­dos em dados, ou por meio de indi­ca­ções, levan­do as tec­no­lo­gi­as para que o pro­du­tor as uti­li­ze internamente.

A quan­ti­da­de de infor­ma­ções agronô­mi­cas gera­das pelos con­sul­to­res duran­te suas visi­tas é essen­ci­al para o emba­sa­men­to de suas pró­pri­as reco­men­da­ções. É fun­da­men­tal que todos esses dados este­jam dis­po­ní­veis e dis­pos­tos de uma manei­ra sim­ples de ana­li­sar, por meio des­sas tecnologias.

Esses dados tra­zem uma gama de infor­ma­ções mui­to vali­o­sas para o con­sul­tor. Com essas infor­ma­ções de cam­po, o res­pon­sá­vel téc­ni­co con­se­gue, por exem­plo, iden­ti­fi­car qual plan­ta dani­nha, pra­ga ou doen­ça está cau­san­do mai­or dano na região. Isso traz a pos­si­bi­li­da­de de o con­sul­tor posi­ci­o­nar a equi­pe de cam­po com as melho­res estra­té­gi­as e se ante­ci­par fren­te à pro­cu­ra de pro­du­tos que serão neces­sá­ri­os em cada manejo.

Isso faz toda a dife­ren­ça no mane­jo do pro­du­tor, que terá uma estra­té­gia efi­ci­en­te obti­da jun­to ao con­sul­tor, mas tam­bém afe­ta posi­ti­va­men­te no pla­ne­ja­men­to para aqui­si­ção de insu­mos, que ganha uma mai­or pre­vi­si­bi­li­da­de e efi­ci­ên­cia na ges­tão de seus ativos.

Com o avan­ço da tec­no­lo­gia, fer­ra­men­tas digi­tais come­ça­ram a ganhar rele­vân­cia no regis­tro de infor­ma­ções e apli­ca­ti­vos espe­cí­fi­cos dei­xam mui­to mais dinâ­mi­ca a for­ma como o con­sul­tor faz seus regis­tros. É pos­sí­vel apon­tar dados agronô­mi­cos e rela­ci­o­nar as infor­ma­ções cole­ta­das com o talhão em que elas foram obti­das. Além dis­so, ganham tem­po, pois não pre­ci­sam mais cri­ar os rela­tó­ri­os de visi­ta, que são gera­dos auto­ma­ti­ca­men­te e libe­ra­dos para os produtores.

Pos­suir todas essas ações docu­men­ta­das em um soft­ware de cam­po faz com que toda essa gama de infor­ma­ções, toda a estra­té­gia tra­ça­da pelo con­sul­tor, fique regis­tra­da de uma manei­ra prá­ti­ca e dinâ­mi­ca, para que pos­sa com­par­ti­lhar os resul­ta­dos obti­dos com suas recomendações.

Assu­mir a res­pon­sa­bi­li­da­de das reco­men­da­ções e entre­gar os resul­ta­dos de cada deci­são do con­sul­tor podem tra­zer uma rela­ção de con­fi­an­ça ain­da mais for­te com o pro­du­tor. O refle­xo dis­so é que o con­sul­tor tem cada vez mais influên­cia nas deci­sões, além de res­sal­tar o pro­pó­si­to des­se tra­ba­lho con­jun­to entre revenda/cooperativa e pro­du­tor rural, que é auxi­li­ar os agri­cul­to­res a con­quis­tar óti­mos resul­ta­dos ao fim de cada safra.