TEN­DÊN­CI­AS

revista-balde-branco-pedro-arcuri-edicao-660

Pedro Bra­ga Arcu­ri

Pes­qui­sa­dor da Embra­pa Gado de Lei­te

Consumo e transformação digital no campo e na linguagem

Para o leite, como será 2020? A expectativa é de crescimento econômico. O consumo deve reagir.

B oa par­te da popu­la­ção bra­si­lei­ra hoje é com­pos­ta por adul­tos jovens, com­po­nen­tes da “gera­ção mil­le­ni­als”. São jovens adul­tos, urba­nos, demons­tram pre­fe­rên­ci­as seme­lhan­tes em com­por­ta­men­to e no uso de tec­no­lo­gi­as encon­tra­das mun­do afo­ra: bus­ca por como­di­da­de, pra­ti­ci­da­de, cui­da­dos com a saú­de e cer­ta indul­gên­cia à mesa. Foca­dos nes­te públi­co de bom poder aqui­si­ti­vo, além de ido­sos e cri­an­ças, os agen­tes da cadeia do lei­te, em espe­ci­al os pro­du­to­res, devem con­ti­nu­ar na bus­ca inces­san­te por mais qua­li­da­de.

Esti­mam os espe­ci­a­lis­tas que o con­su­mo de lei­te flui­do deve­rá ser está­vel, com ten­dên­cia de que­da, por mudan­ça de hábi­tos de con­su­mo. O con­su­mo cres­cen­te de iogur­tes deve con­ti­nu­ar, em razão da deman­da puxa­da pela bus­ca de pro­du­tos pro­mo­to­res da saú­de, com carac­te­rís­ti­cas espe­cí­fi­cas, como mais pro­teí­na ou pro­bió­ti­cos.

O quei­jo cres­ce em quan­ti­da­de con­su­mi­da e em valor, por ser uma pre­fe­rên­cia dos mil­le­ni­als. Ain­da, aumen­tar o teor de sóli­dos pelo teor de gor­du­ra tam­bém é um obje­ti­vo a ser per­se­gui­do pelos pro­du­to­res, com o pre­ço da man­tei­ga man­ti­do ele­va­do, mais uma vez puxa­do pelas pre­fe­rên­ci­as dos con­su­mi­do­res e pela com­pro­va­ção dos bene­fí­ci­os do con­su­mo de man­tei­ga asso­ci­a­do a hábi­tos de ati­vi­da­de físi­ca e con­su­mo de vege­tais.

Ade­mais, de acor­do com a pres­ti­gi­o­sa revis­ta Har­vard Busi­ness Revi­ew, 2020 é o “pon­to de infle­xão” da trans­for­ma­ção digi­tal no agro­ne­gó­cio mun­di­al. Sig­ni­fi­ca dizer que a par­tir des­te ano have­rá um núme­ro mai­or de empre­sas e agen­tes do agro­ne­gó­cio ado­tan­do em defi­ni­ti­vo tec­no­lo­gi­as digi­tais, para não pere­ce­rem fren­te a seus con­cor­ren­tes.

A trans­for­ma­ção digi­tal muda nos­sa for­ma de tra­ba­lhar e de comu­ni­car. Pri­mei­ro, por­que usa­mos cada vez mais os celu­la­res, para mui­tas coi­sas além de con­ver­sas telefô­ni­cas; mas tam­bém por­que esta­mos mudan­do nos­sa lin­gua­gem.”

Mui­tas vezes, sem per­ce­ber­mos, as mudan­ças nos envol­vem e trans­for­mam nos­so coti­di­a­no. A trans­for­ma­ção digi­tal muda nos­sa for­ma de tra­ba­lhar e de comu­ni­car. Pri­mei­ro, por­que usa­mos cada vez mais os celu­la­res, para mui­tas coi­sas além de con­ver­sas telefô­ni­cas; mas tam­bém por­que esta­mos mudan­do nos­sa lin­gua­gem.

“Com ctz vamos! Vlw o con­vi­te o Show e blz dms <>!!!” Ou, “Com cer­te­za vamos! Valeu o con­vi­te, o show é bele­za demais, abra­ços!!!”. A “tra­du­ção” da fra­se con­su­miu 19 carac­te­res a mais e ain­da con­tém uma vír­gu­la e um acen­to agu­do. Este é um peque­no exem­plo de uma nova escri­ta, mais sin­té­ti­ca, para quem conhe­ce os novos vocá­bu­los, em geral, jovens. Isso aca­ba com a lín­gua por­tu­gue­sa? Não creio. Vejam a ana­lo­gia com Vos­sa Mer­cê, depois, vos­mi­cê, hoje você e, ama­nhã, vc… Estu­dos na ciên­cia da lin­guís­ti­ca mos­tram que esta “nova” lin­gua­gem é efi­caz na comu­ni­ca­ção de idei­as com­ple­xas. Lida­mos ain­da com os sím­bo­los, cha­ma­dos “emo­jis”, que tam­bém comu­ni­cam idei­as com­ple­xas. A lin­gua­gem é a expres­são de um povo, comu­ni­ca­ção que acom­pa­nha ino­va­ções.

Con­si­de­ro, por­tan­to, impor­tan­te acom­pa­nhar com aten­ção a mudan­ça de hábi­tos e, se pos­sí­vel, incor­po­rar a “nova” lin­gua­gem escri­ta e fala­da para que a dife­ren­ça de ida­de não vire um con­fli­to entre gera­ções que resul­te no atra­so da trans­for­ma­ção digi­tal no cam­po.

Hoje, a cadeia do lei­te, por meio da ini­ci­a­ti­va Ide­as for Milk, da Embra­pa, é o setor pro­du­ti­vo que mais pro­mo­ve a ino­va­ção digi­tal no Bra­sil. Apoi­a­mos os pro­du­to­res, aju­dan­do-os a pros­pe­rar com qua­li­da­de de vida e os seto­res da cadeia pro­du­ti­va do lei­te, a esta­rem pron­tos para as mudan­ças que virão. Pro­mo­ve­mos o ecos­sis­te­ma de ino­va­ção do lei­te em tor­no da trans­for­ma­ção digi­tal, e sua nova lin­gua­gem, para aumen­tar a pro­du­ti­vi­da­de com sus­ten­ta­bi­li­da­de, agre­gan­do pes­so­as para cola­bo­rar, ino­var e pro­mo­ver mudan­ças em prol do Lei­te 4.0.

Feliz 2020, que este seja um ano para ser lem­bra­do pela trans­for­ma­ção digi­tal, por pro­gres­so e paz!

Rolar para cima