Curtas - Digital Balde Branco

CURTAS

Queijo serrano recebe selo arte

San­ta Cata­ri­na ini­ci­ou a entre­ga do Selo Arte para pro­du­tos arte­sa­nais. O pri­mei­ro pro­du­to a rece­ber a cer­ti­fi­ca­ção no esta­do foi o quei­jo ser­ra­no pro­du­zi­do pela famí­lia Zane­la­to, no muni­cí­pio de Bom Reti­ro. Com o selo, o quei­jo pode­rá ser comer­ci­a­li­za­do em todo o País. O Selo Arte é a rea­li­za­ção de um anti­go sonho de pro­du­to­res arte­sa­nais bra­si­lei­ros. Ele per­mi­te que pro­du­tos como quei­jos, embu­ti­dos, pes­ca­dos e mel pos­sam ser ven­di­dos livre­men­te em qual­quer par­te do ter­ri­tó­rio naci­o­nal, eli­mi­nan­do entra­ves buro­crá­ti­cos. Para os con­su­mi­do­res, é uma garan­tia de qua­li­da­de, com a segu­ran­ça de que a pro­du­ção é arte­sa­nal e res­pei­ta as boas prá­ti­cas agro­pe­cuá­ri­as e sanitárias.

Mastite “invisível” traz riscos e Prejuízos para rebanhos leiteiros 

Em geral, o pro­du­tor rural reco­nhe­ce visu­al­men­te a doen­ça em sua for­ma clí­ni­ca ao obser­var incha­ço e ver­me­lhi­dão nas glân­du­las mamá­ri­as de vacas lei­tei­ras e/ou alte­ra­ções na colo­ra­ção do lei­te. No entan­to, há um tipo de mas­ti­te que não pode ser diag­nos­ti­ca­da de for­ma visu­al: é a sub­clí­ni­ca, em que o ani­mal não apre­sen­ta alte­ra­ções no lei­te nem na glân­du­la mamá­ria. De acor­do com o pes­qui­sa­dor Luiz Fran­cis­co Zafa­lon, da Embra­pa Pecuá­ria Sudes­te (São Car­los-SP), quan­do diag­nos­ti­ca­da a mas­ti­te clí­ni­ca, o reba­nho tem uma pro­por­ção bem mai­or de ani­mais com a mas­ti­te “invi­sí­vel”. O diag­nós­ti­co, segun­do ele, pode ser fei­to com vári­os tipos de tes­tes dis­po­ní­veis aos pro­du­to­res. Um deles, conhe­ci­do como CMT (Cali­for­nia Mas­ti­tis Test), uti­li­za um rea­gen­te que, em con­ta­to com o lei­te de uma glân­du­la mamá­ria com mas­ti­te sub­clí­ni­ca, pro­duz uma mis­tu­ra vis­co­sa a par­tir do lei­te recém-orde­nha­do, devi­do ao aumen­to de célu­las somá­ti­cas do leite.

Ex-ministro da agricultura defende securitização de dívidas rurais 

O endi­vi­da­men­to rural está der­ru­ban­do sonhos e pla­ne­ja­men­tos, ins­ta­lan­do uma série de obs­tá­cu­los alhei­os ao suces­so da colhei­ta. E há olhos mui­to impor­tan­tes, ver­da­dei­ras refe­rên­ci­as his­tó­ri­cas, aten­tos a essa con­jun­tu­ra. Eles per­ten­cem a Alys­son Pao­li­nel­li, enge­nhei­ro agrô­no­mo, ex-minis­tro da Agri­cul­tu­ra e um dos fun­da­do­res da Embra­pa, no fim dos anos 1960. Para ele, as dívi­das são con­sequên­cia de “um erro que vem sen­do ali­men­ta­do por vári­os gover­nos há déca­das”. “O Bra­sil é o úni­co gran­de pro­du­tor agrí­co­la do mun­do que ain­da não tem segu­ro rural. Isso é uma dis­tor­ção sem pre­ce­den­tes e res­pon­sá­vel por tudo o que assis­ti­mos de maze­las”, expli­ca o ex-minis­tro. Como, segun­do ele, tudo o que acon­te­ceu recen­te­men­te no Sul e até no Cen­tro-Oes­te do País, em fun­ção de uma seca seve­ra que trou­xe um endi­vi­da­men­to des­co­mu­nal, para quem já esta­va bas­tan­te endividado.

Mapa apreende defensivos Irregulares em são paulo 

Cer­ca de 212 mil litros de defen­si­vos agrí­co­las irre­gu­la­res foram apre­en­di­dos em São Pau­lo duran­te for­ça- tare­fa rea­li­za­da pelo Minis­té­rio da Agri­cul­tu­ra, Pecuá­ria e Abas­te­ci­men­to (Mapa) entre os dias 23 e 28 de agos­to. Ao todo, 37 empre­sas foram fis­ca­li­za­das nas regiões de Cam­pi­nas, Ribei­rão Pre­to e São José do Rio Pre­to. Duas empre­sas tive­ram as ati­vi­da­des inter­di­ta­das, além de 17 autos de infra­ção lavra­dos e 122 agro­tó­xi­cos fis­ca­li­za­dos. Ain­da foram encon­tra­dos 17 mil litros de fer­ti­li­zan­tes e 1.480 qui­los de suple­men­to mine­ral ani­mal que esta­vam sen­do pro­du­zi­dos com subs­tân­ci­as proi­bi­das. Par­ti­ci­pa­ram da for­ça-tare­fa audi­to­res fis­cais fede­rais agro­pe­cuá­ri­os de oito esta­dos. As equi­pes con­ta­ram ain­da com o apoio de audi­to­res em home offi­ce, auxi­li­an­do no tra­ba­lho de inteligência.

Embrapa Gado de Leite lança o Anuário Leite 2020 

A cadeia do lei­te no pós-covid-19, a pro­du­ção com foco em bem-estar ani­mal e sus­ten­ta­bi­li­da­de, as novas exi­gên­ci­as dos con­su­mi­do­res, a vaca que pro­duz mais e con­so­me menos, o novo ambi­en­te nas fazen­das para ter vacas e pes­so­as feli­zes. Estes são alguns dos 34 temas do Anuá­rio Lei­te 2020, da Embra­pa Gado de Lei­te, que já está dis­po­ní­vel para down­lo­ad no site da empre­sa. O Anuá­rio Lei­te 2020 é resul­ta­do de par­ce­ria da Embra­pa Gado de Lei­te com o jor­na­lis­ta Nel­son Ren­te­ro, que tem mais de 30 anos dedi­ca­dos à cadeia do lei­te, e a Tex­to Comu­ni­ca­ção, res­pon­sá­vel pela pro­du­ção edi­to­ri­al. Além das repor­ta­gens espe­ci­ais, o anuá­rio reú­ne as mais impor­tan­tes esta­tís­ti­cas do lei­te no Bra­sil e no mun­do, incluin­do dados de pro­du­ção (mai­o­res pro­du­to­res, lati­cí­ni­os, esta­dos, regiões), deman­da, preços/custos, exportação/importação, mer­ca­do dos Esta­dos Uni­dos, Chi­na e Índia. O Anuá­rio Lei­te 2020 está dis­po­ní­vel para down­lo­ad gra­tui­to no site da Embra­pa Gado de Lei­te, no link www.embrapa.br/gado-de-leite

Nasce filha do primeiro clone de gir leiteiro 

A bezer­ri­nha Flo­ri­da da Cer­ra­dos, que nas­ceu no dia 31 de agos­to, no Cen­tro de Tec­no­lo­gia em Raças Zebuí­nas Lei­tei­ras (CTZL) da Embra­pa Cer­ra­dos, no Dis­tri­to Fede­ral, não é um ani­mal qual­quer. Ela é filha da vaca Acá­cia da Cer­ra­dos TN, pri­mei­ro e úni­co clo­ne de Gir Lei­tei­ro do pro­gra­ma de sele­ção da raça no CTZL, obti­do pela téc­ni­ca de trans­fe­rên­cia nucle­ar há três anos. Depois de uma ges­ta­ção sem com­pli­ca­ções para a mãe, a bezer­ra nas­ceu pesan­do 21 kg, está com boa saú­de e é bem esper­ta. “O nas­ci­men­to da Flo­ri­da é a com­pro­va­ção de que a repro­gra­ma­ção nucle­ar do pro­ces­so de clo­na­gem que gerou a Acá­cia foi bem-suce­di­da”, afir­ma o pes­qui­sa­dor Car­los Fre­de­ri­co Mar­tins, super­vi­sor do CTZL e coor­de­na­dor da pes­qui­sa. Acá­cia foi inse­mi­na­da arti­fi­ci­al­men­te com sêmen con­ven­ci­o­nal (não sexa­do) do tou­ro Gir Lei­tei­ro PH Uís­que, um pre­mi­a­do ani­mal do reba­nho de Pau­lo Hor­ta, cri­a­dor no Dis­tri­to Federal.

Epamig: foco no controle do carrapato na pecuária 

Em Minas Gerais, esta­do que pos­sui o mai­or reba­nho lei­tei­ro do País, os car­ra­pa­tos são res­pon­sá­veis por per­das de mais de 90 litros de lei­te por vaca. A Empre­sa de Pes­qui­sa Agro­pe­cuá­ria de Minas Gerais (Epa­mig) tra­ba­lha no desen­vol­vi­men­to de tec­no­lo­gi­as para dimi­nuir os pre­juí­zos cau­sa­dos por esses para­si­tas na pecuá­ria de lei­te e de cor­te. Dian­te des­se cená­rio, os pes­qui­sa­do­res da Epa­mig e UFMG têm tra­ba­lha­do para o desen­vol­vi­men­to de uma vaci­na que seja capaz de indu­zir uma res­pos­ta imu­ne efe­ti­va e dura­dou­ra, e que seja um pro­du­to eco­no­mi­ca­men­te viá­vel para o pro­du­tor. Os expe­ri­men­tos estão sen­do desen­vol­vi­dos no Cam­po Expe­ri­men­tal San­ta Rita, no muni­cí­pio de Pru­den­te de Morais (MG). Os resul­ta­dos das pes­qui­sas serão divul­ga­dos após os tes­tes em andamento.

Rolar para cima