Extensão Rural orienta produtores do Sistema Compost Barn - Digital Balde Branco

No Paraná muitos produtores têm adotado o sistema de confinamento de bovinos de leite

No Oes­te do Esta­do mui­tos pro­du­to­res têm ado­ta­do o sis­te­ma “com­post barn” de con­fi­na­men­to de bovi­nos de lei­te. A tec­no­lo­gia pro­me­te aumen­to de até 30% na pro­du­ti­vi­da­de do reba­nho. No entan­to, os exten­si­o­nis­tas do Ins­ti­tu­to Ema­ter aler­tam que os indi­ca­do­res de pro­du­ção de algu­mas pro­pri­e­da­des são insu­fi­ci­en­tes para via­bi­li­zar o inves­ti­men­to. Além dis­so, eles lem­bram que a implan­ta­ção do “com­post barn” pre­ci­sa de pla­ne­ja­men­to e boas prá­ti­cas de mane­jo para alcan­çar os resul­ta­dos esperados. 

Para escla­re­cer as dúvi­das dos pro­du­to­res que já ado­ta­ram o “com­post barn”, recen­te­men­te o Ins­ti­tu­to Ema­ter de Mare­chal Cân­di­do Ron­don pro­mo­veu uma reu­nião com espe­ci­a­lis­tas no assun­to. A ati­vi­da­de con­tou com o apoio da Uni­o­es­te e das Uni­da­des Regi­o­nais do Ins­ti­tu­to de Tole­do e Cascavel. 

Duran­te a reu­nião o médi­co vete­ri­ná­rio Fer­nan­do Bra­cht, da B&M Con­sul­to­ria, expli­cou que o sis­te­ma é uma moda­li­da­de de con­fi­na­men­to de gado lei­tei­ro que lite­ral­men­te sig­ni­fi­ca “celei­ro de com­pos­ta­gem”. Nes­se mode­lo, os ani­mais são man­ti­dos em ins­ta­la­ções cons­truí­das espe­ci­al­men­te para este fim. O piso é cober­to por uma cama de mara­va­lha, ou ser­ra­gem, que absor­ve a maté­ria orgâ­ni­ca (ester­co e uri­na). Essa cama dá mais con­for­to aos ani­mais e peri­o­di­ca­men­te é revol­vi­da. Des­sa for­ma o mate­ri­al é ven­ti­la­do, per­de umi­da­de e tem­pe­ra­tu­ra, favo­re­cen­do a com­pos­ta­gem e assim, eli­mi­nan­do qual­quer pre­juí­zo para os animais. 

 

Em sua apre­sen­ta­ção, Bra­cht res­sal­tou a impor­tân­cia do pla­ne­ja­men­to do sis­te­ma e do mane­jo da cama. Para ele, esse cui­da­do é fun­da­men­tal para que os cus­tos de pro­du­ção não se ele­vem e invi­a­bi­li­zem o negó­cio. O vete­ri­ná­rio infor­mou que a pes­qui­sa com­pro­va o aumen­to da efi­ci­ên­cia dos reba­nhos que têm suas exi­gên­ci­as de bem-estar ani­mal supri­das pelo “com­post barn”. 

Inves­ti­men­to alto

Segun­do infor­ma­ções de Muri­lo Rodri­gues Shi­ba­ta, do Ins­ti­tu­to Ema­ter, em Mare­chal Cân­di­do Ron­don e nos muni­cí­pi­os vizi­nhos exis­tem mais de trin­ta pro­du­to­res que ado­ta­ram o sis­te­ma. “Mas a mai­or par­te des­sas pro­pri­e­da­des tem indi­ca­do­res de pro­du­ção insu­fi­ci­en­tes para via­bi­li­zar o inves­ti­men­to, prin­ci­pal­men­te em se tra­tan­do da agri­cul­tu­ra fami­li­ar e da estru­tu­ra fun­diá­ria pre­sen­te na região”, obser­vou o exten­si­o­nis­ta. Ele acres­cen­tou que é comum encon­trar pro­pri­e­da­des que ain­da pos­su­em indi­ca­do­res de pro­du­ti­vi­da­de entre 18 e 22 litros/vaca/dia. “Além dis­so, há pro­ble­mas repro­du­ti­vos e de qua­li­da­de do lei­te”, sali­en­tou Shi­ba­ta.  Para ele, a melho­ria des­ses indi­ca­do­res, pas­sa­ria pelo aten­di­men­to de uma série de pré-requi­si­tos antes de se par­tir para a inten­si­fi­ca­ção da cri­a­ção via con­fi­na­men­to. “Tem sido comum alguns pro­du­to­res que não ado­tam mane­jo nutri­ci­o­nal, repro­du­ti­vo, ou mes­mo que não aten­tam para a qua­li­da­de do lei­te, par­ti­rem dire­to para o con­fi­na­men­to. Nes­se caso os resul­ta­dos serão frus­tran­tes”, afir­mou Shi­ba­ta. Ele dis­se ain­da que o “com­post barn” é indi­ca­do para pro­pri­e­da­des cujo reba­nho apre­sen­ta pro­du­ti­vi­da­de aci­ma de 28 litros/vaca/dia, já que o inves­ti­men­to é alto. Somen­te com ins­ta­la­ções o pro­du­tor pode gas­tar entre R$ 300 e R$ 400 mil. 

 

Os téc­ni­cos do Ins­ti­tu­to Ema­ter de Mare­chal Cân­di­do Ron­don pre­ten­dem con­ti­nu­ar atu­an­do jun­to a todas as pro­pri­e­da­des nas quais o pro­du­tor veri­fi­que a neces­si­da­de de melho­rar seus indi­ca­do­res téc­ni­cos e econô­mi­cos de pro­du­ção. Esse tra­ba­lho ganha rele­vân­cia no momen­to por­que a mar­gem de lucro dos pro­du­to­res está cada vez menor. Os dados do últi­mo cen­so do IBGE (2017), con­fron­ta­dos com o ante­ri­or (2006), mos­tram que a região admi­nis­tra­ti­va do Ins­ti­tu­to Ema­ter de Tole­do apre­sen­tou redu­ção de apro­xi­ma­da­men­te 37% no núme­ro de pro­du­to­res, ape­sar da pro­du­ção ter sido incre­men­ta­da em 38%. Os exten­si­o­nis­tas acre­di­tam que, pro­va­vel­men­te, os ganhos foram con­se­gui­dos pelos pro­du­to­res com visão mais pro­fis­si­o­nal que fazem das reco­men­da­ções téc­ni­cas uma roti­na na pro­pri­e­da­de. Por isso estão à dis­po­si­ção do pecu­a­ris­ta que este­ja inte­res­sa­do em mudar os indi­ca­do­res do seu rebanho.

Rolar para cima