Frases - Digital Balde Branco

FRASES

associativismo

Acre­di­to que os pro­du­to­res devem par­ti­ci­par de asso­ci­a­ções, pois, em alguns casos, é o úni­co cami­nho para avan­ça­rem na pro­fis­si­o­na­li­za­ção da ati­vi­da­de. As asso­ci­a­ções via­bi­li­zam e refor­çam par­ce­ri­as, a dis­se­mi­na­ção de conhe­ci­men­to, a tro­ca de expe­ri­ên­ci­as, a assis­tên­cia téc­ni­ca e outros pon­tos fun­da­men­tais para os pro­du­to­res progredirem.” 
Mar­ce­lo Mal­do­na­do Cas­so­li, pro­du­tor de lei­te em São João Batis­ta do Gló­ria (MG) e dire­tor da Apro­lei­te, em Pas­sos (MG)

mastite

O perío­do seco é uma neces­si­da­de fisi­o­ló­gi­ca da vaca lei­tei­ra e tem rela­ção dire­ta com a saú­de da glân­du­la mamá­ria, a pro­du­ção de lei­te e a pre­ven­ção de doen­ças do perío­do de tran­si­ção. O uso do tra­ta­men­to de vaca seca e do selan­te de tetos, em con­jun­to com medi­das de mane­jo para for­ne­cer ambi­en­te lim­po e con­for­tá­vel para as vacas secas, são fer­ra­men­tas indis­pen­sá­veis de tra­ta­men­to e pre­ven­ção da mas­ti­te duran­te a secagem.” 

Mar­cos Vei­ga San­tos, pro­fes­sor titu­lar da FMZV-USP

reprodução

Os níveis de pro­du­ção e a com­po­si­ção raci­al têm seus refle­xos asso­ci­a­dos às mai­o­res exi­gên­ci­as do orga­nis­mo ani­mal, com efei­to sobre as doen­ças da repro­du­ção. As vacas Giro­lan­do, por exem­plo, são mais rús­ti­cas, mas à medi­da que os volu­mes de pro­du­ção aumen­tam, tam­bém são mais afe­ta­das e não acei­tam desa­fo­ro, neces­si­tam de atenção” 

Ricar­da Maria dos San­tos, pro­fes­so­ra na área de Repro­du­ção Ani­mal na FMV-Uni­ver­si­da­de Fede­ral de Uber­lân­dia (UFU)

lácteos

Os diver­sos agen­tes da cadeia pre­ci­sam estar har­mo­ni­za­dos para expor­tar e de ime­di­a­to tra­ba­lhar nichos de mer­ca­do para depois pen­sar no médio e no lon­go pra­zos. É um tra­ba­lho a ser fei­to pas­so a passo.” 

Ale­xan­dre Guer­ra, pre­si­den­te do Sin­di­ca­to da Indús­tria de Lati­cí­ni­os e Pro­du­tos Deri­va­dos (Sin­di­lat-RS)

bezerras

Num perío­do, nos­sos índi­ces de diar­reia sal­ta­ram de uma média de 15% para 88% em dois meses. A taxa de mor­ta­li­da­de das bezer­ras aumen­tou de 3% para 12%. Com a ori­en­ta­ção espe­ci­a­li­za­da, rea­li­za­mos ges­tão de cri­se, pro­mo­ven­do a bios­se­gu­ran­ça, reci­clan­do os fun­ci­o­ná­ri­os, acom­pa­nhan­do dia­ri­a­men­te e bem de per­to os pro­ces­sos. Isso foi sufi­ci­en­te para que, em menos de 30 dias, vol­tás­se­mos a regis­trar 10% de diar­reia nas bezer­ras, mas sem casos de mortalidade.” 

Andres Rojas, pro­du­tor de lei­te e pro­pri­e­tá­rio da Fazen­da Ser­tão­zi­nho, em Vir­gí­nia (MG)

conforto témico

A tem­pe­ra­tu­ra pode estar em 28 graus, algo que o pro­du­tor con­si­de­re não tão quen­te, porém para uma vaca que pro­duz entre 35 e 40 litros/leite/dia já é um cas­ti­go, espe­ci­al­men­te se a umi­da­de for alta. É impres­cin­dí­vel ter um sis­te­ma de res­fri­a­men­to com asper­são e ven­ti­la­ção, ou então uti­li­zar o sis­te­ma de ven­ti­la­ção cru­za­da, que é mais caro, con­tu­do man­tém a tem­pe­ra­tu­ra em até 22 graus.” 

Vivi­an Fisher, coor­de­na­do­ra do Núcleo de Pes­qui­sa em Pecuá­ria Lei­tei­ra e Com­por­ta­men­to Ani­mal (Nuplac/UFRGS)

leite 4.0

Como pode uma nação cri­a­da no meio do deser­to, com recur­sos hídri­cos escas­sos, entre outros pro­ble­mas, fazer tama­nha trans­for­ma­ção como essa (Isra­el, que tem vacas com 12.083 kg/leite/vaca/ano)? É aí que que­ro che­gar: a ino­va­ção trans­cen­de aqui­lo que enten­de­mos como o pura­men­te digi­tal, ou seja, somen­te o que está acon­te­cen­do den­tro de um tablet ou de um celu­lar. A ino­va­ção vai mui­to além dis­so e pen­sar ‘fora da cai­xi­nha’ é mais do que bem-vindo.” 

Edson Bar­bo­sa, enge­nhei­ro de com­pu­ta­ção, que par­ti­ci­pa de men­to­ri­as no Ide­as for Milk

Rolar para cima