Grandes produtores de leite crescem em volume - Digital Balde Branco

Con­trá­ri­os à que­da na pro­du­ção de lei­te em 2016, os mai­o­res pro­du­to­res cres­ce­ram, segun­do o levan­ta­men­to Top 100 Milk­Point 2017

O levan­ta­men­to Top 100 Milk­Point 2017 tem como base as 100 mai­o­res fazen­das lei­tei­ras do Bra­sil. A ver­são mais recen­te, apre­sen­ta­da no dia 20 de mar­ço pelo coor­de­na­dor da pes­qui­sa, Mar­ce­lo Perei­ra de Car­va­lho, mos­tra que no âmbi­to dos gran­des pro­du­to­res de lei­te, está ocor­ren­do um pro­ces­so de tec­ni­fi­ca­ção, aumen­to de esca­la e pro­fis­si­o­na­lis­mo. De acor­do com ele, esse movi­men­to se inten­si­fi­ca­rá nos pró­xi­mos anos, mes­mo que os 100 mai­o­res hoje repre­sen­tem uma peque­na par­ce­la do total do lei­te brasileiro.

“Além dos 100 mai­o­res — que são a pon­ta do ice­berg — é notá­vel um pro­ces­so de pro­fis­si­o­na­li­za­ção no setor lei­tei­ro como um todo, em que pro­du­to­res fami­li­a­res estão se moder­ni­zan­do e aumen­tan­do a efi­ci­ên­cia. Pro­du­to­res de todos os por­tes vêm bus­can­do aumen­to de esca­la, o que nos faz con­cluir que os Top 100 repre­sen­tam de algu­ma for­ma o que está acon­te­cen­do no Bra­sil”, cita ele. Para ilus­trar, con­ta que em 2016 hou­ve que­da de 3,7% na pro­du­ção no país, que somou 23,17 bilhões de litros. No ano ante­ri­or, a pro­du­ção naci­o­nal já havia recuado.

O levan­ta­men­to des­ta­ca que os 100 mai­o­res pro­du­to­res de lei­te em 2016 apre­sen­ta­ram pro­du­ção média de 16.179 litros/dia, volu­me cer­ca de 4,5% supe­ri­or à média da mes­ma mos­tra de 2015. Apon­ta tam­bém que 54% dos pro­du­to­res con­si­de­ra­ram a ren­ta­bi­li­da­de da ati­vi­da­de lei­tei­ra em 2016 melhor do que a média se com­pa­ra­da a outros anos, enquan­to 36% afir­ma­ram que este­ve na média e ape­nas 10% a con­si­de­ra­ram pior que a média.

Sobre cus­tos ope­ra­ci­o­nais de pro­du­ção, apre­sen­ta­ram aumen­to de 5% entre os pro­du­to­res Top 100 e 59% das pro­pri­e­da­des tive­ram cus­to ope­ra­ci­o­nal médio aci­ma de R$ 1,10/litro. Tem ter­mos geo­grá­fi­cos, nova­men­te Minas Gerais é o esta­do com mai­or núme­ro de fazen­das pre­sen­tes no Top 100, com 44 pro­pri­e­da­des. Em segui­da apa­re­ce o esta­do do Para­ná, com 18 fazen­das, e o Rio Gran­de do Sul, que apre­sen­tou 8 fazen­das. Com con­fi­na­men­to, 53% das pro­pri­e­da­des ado­tam o sis­te­ma, enquan­to 15% têm explo­ra­ção base­a­da em pas­ta­gens e 33% em sis­te­mas mistos.

Já entre os 10 pro­du­to­res com mai­o­res aumen­tos na pro­du­ção diá­ria, 3 são da região Sudes­te (todos em Minas Gerais), outros 4 da região Sul (2 no Para­ná e 2 no Rio Gran­de do Sul), 1 da Bahia e 2 de Goiás. “A raça Holan­de­sa per­ma­ne­ce sen­do a mais uti­li­za­da nas pro­pri­e­da­des, estan­do pre­sen­te em 76 fazen­das do Top 100”, infor­ma Car­va­lho. A raça Giro­lan­do está em 29 pro­pri­e­da­des e 26 fazen­das uti­li­zam mais de uma raça, segun­do o levantamento.

Em ter­mos de indús­tria, a Itam­bé nova­men­te apre­sen­tou o mai­or núme­ro de for­ne­ce­do­res entre os Top 100, soman­do 18 fazen­das. Em segui­da vem o Pool Lei­te (coo­pe­ra­ti­vas Cas­tro­lan­da, Frí­sia e Capal) com 14 fazen­das. Na sequên­cia, Dano­ne e Pira­can­ju­ba, com 14 e 12 for­ne­ce­do­res res­pec­ti­va­men­te. Este ano, 10 par­ti­ci­pan­tes do Top 100 pos­su­em lati­cí­nio pró­prio. Entre eles, ape­nas 4 estão no Top 10. A mai­or fazen­da do país em pro­du­ção con­ti­nua sen­do a Fazen­da Colo­ra­do, de Ara­ras-SP. Ao con­trá­rio de 2015, quan­do apre­sen­tou uma redu­ção de 3,4% na pro­du­ção, este ano a Colo­ra­do teve aumen­to de 4,2% no volu­me pro­du­zi­do dia­ri­a­men­te, tota­li­zan­do 63.133 litros/dia. – Tex­to ela­bo­ra­do a par­tir de infor­ma­ções gera­das pela área de comu­ni­ca­ção do Por­tal Milkpoint

Rolar para cima