Leite: o baixo consumo na América Latina - Digital Balde Branco

Cer­ca de 300 repre­sen­tan­tes de dife­ren­tes elos da cadeia de pro­du­ção de lei­te de paí­ses lati­no-ame­ri­ca­nos par­ti­ci­pa­ram, no final de abril, do 3º Encon­tro Pan-Ame­ri­ca­no de Jovens Lei­tei­ros, no Equa­dor, país onde o con­su­mo de 100 litros de lei­te por
habitante/ano não alcan­ça o parâ­me­tro míni­mo de 200 litros reco­men­da­do pela FAO Orga­ni­za­ção das Nações Uni­das para Ali­men­ta­ção e Agricultura.

Segun­do Dani­el Pele­gri­na, pre­si­den­te da Fepa­le-Fede­ra­ção Pan-Ame­ri­ca­na de Lei­te, os úni­cos que supe­ram a cifra – dos 18 paí­ses lati­no-ame­ri­ca­nos – são: Uru­guai (250 litros) e Argen­ti­na (210 litros). A nação onde os habi­tan­tes tomam menos lei­te é a Bolí­via, com 58 litros por habitante/ano. Os prin­ci­pais pro­ble­mas para se ter aces­so aos lati­cí­ni­os estão rela­ci­o­na­dos a fato­res demo­grá­fi­cos, edu­ca­ci­o­nais, cul­tu­rais, econô­mi­cos e de saúde.

Rolar para cima