Manifesto contrário às denominações “leite” e “carne” pelos produtos integralmente vegetais - Digital Balde Branco

CURTAS

Manifesto contrário às denominações “leite” e “carne” pelos produtos integralmente vegetais 

A Asso­ci­a­ção Bra­si­lei­ra de Cri­a­do­res de Zebu (ABCZ) divul­gou comu­ni­ca­do em agos­to escla­re­cen­do sua posi­ção con­trá­ria ao que cha­ma de “apro­pri­a­ção inde­vi­da das deno­mi­na­ções ‘car­ne’ e ‘lei­te’ (des­ti­na­das a pro­du­tos de ori­gem exclu­si­va­men­te ani­mal) pelos pro­du­tos inte­gral­men­te vege­tais, deno­mi­na­dos ‘plant-based’”. A mani­fes­ta­ção públi­ca da enti­da­de res­pon­de à con­vo­ca­ção do Minis­té­rio da Agri­cul­tu­ra, que bus­ca colher a per­cep­ção da soci­e­da­de sobre tal assun­to. Des­ta for­ma, o posi­ci­o­na­men­to con­trá­rio da ABCZ repre­sen­ta, segun­do a enti­da­de, “res­pei­to e defe­sa ao tra­ba­lho dos mais de 23 mil asso­ci­a­dos, cujo fomen­to e pro­du­ção atin­gem mais de 80% do reba­nho bovi­no naci­o­nal, com pro­du­ção esti­ma­da em 2020 de 10,5 milhões de tone­la­das de car­ne bovi­na e 24,5 milhões de tone­la­das de leite”.

Escassez hídrica afeta a pecuária leiteira

Para o pes­qui­sa­dor Julio Palha­res, espe­ci­a­lis­ta em recur­sos hídri­cos da Embra­pa Pecuá­ria Sudes­te, algu­mas medi­das podem con­tri­buir para mini­mi­zar os impac­tos das pro­du­ções ani­mais no con­su­mo de água. Para ele, o pecu­a­ris­ta deve agir para ser mais efi­ci­en­te no uso da água. Algu­mas medi­das têm cus­to zero, pois envol­vem ape­nas mudan­ças com­por­ta­men­tais, como, por exem­plo, fazer a ras­pa­gem do piso da sala de orde­nha. Em outras medi­das, o inves­ti­men­to é bai­xo: subs­ti­tui­ção de man­guei­ra de flu­xo con­tí­nuo por mode­lo de flu­xo con­tro­la­do, manu­ten­ção do piso e pro­gra­ma de detec­ção de vaza­men­tos. O pecu­a­ris­ta deve fazer o mane­jo nutri­ci­o­nal de for­ma pre­ci­sa para os ani­mais. A ins­ta­la­ção de hidrô­me­tros na pro­pri­e­da­de para medir o con­su­mo de água e de cis­ter­nas para cap­ta­ção da água da chu­va são prá­ti­cas que auxi­li­am para se conhe­ce­rem os flu­xos hídri­cos do sis­te­ma de pro­du­ção e ter uma fon­te alter­na­ti­va de água.

Roberta Züge participa de livro sobre boas práticas no uso de produtos veterinários 

Ten­do como obje­ti­vo com­par­ti­lhar infor­ma­ção e auxi­li­ar o pecu­a­ris­ta, com foco em saú­de ani­mal e seguin­do as boas prá­ti­cas agro­pe­cuá­ri­as, a Comis­são de Edu­ca­ção Sani­tá­ria da Supe­rin­ten­dên­cia Fede­ral de Agri­cul­tu­ra no Esta­do de São Pau­lo aca­ba de lan­çar o livro “Diá­lo­gos para boas prá­ti­cas no uo de pro­du­tos vete­ri­ná­ri­os na pro­du­ção ani­mal”. O pro­je­to, que con­ta com a par­ti­ci­pa­ção de diver­sos auto­res, tam­bém teve a coo­pe­ra­ção da Con­se­lhei­ra do CCAS (Con­se­lho Cien­tí­fi­co Agro Sus­ten­tá­vel) e mes­tre e dou­to­ra em Repro­du­ção Ani­mal pela Uni­ver­si­da­de de São Pau­lo (USP), Rober­ta Züge (foto). A obra está dis­po­ní­vel no site do CCAS em for­ma­to PDF.

Evento de negócios em pecuária de leite e corte abre inscrições 

Com a per­mis­são do fun­ci­o­na­men­to de encon­tros soci­ais e fei­ras cor­po­ra­ti­vas divul­ga­da pelo gover­no do Esta­do de São Pau­lo, o Pecuá­ria 360º – Sum­mit 2021, con­fe­rên­cia de negó­ci­os de pecuá­ria de cor­te e lei­te, está com as suas ins­cri­ções aber­tas a par­tir de agos­to com des­con­to, e podem ser fei­tas pelo site do even­to, no link: https://bit.ly/3zA4Edv O Sum­mit 2021 será pre­sen­ci­al nos dias 23 e 24 de novem­bro, no Hotel Pull­man Vila Olím­pia, em São Pau­lo, com vagas limi­ta­das, e terá tam­bém a ver­são onli­ne. Serão ofe­re­ci­dos 350 luga­res para os par­ti­ci­pan­tes pre­sen­ci­ais, com aces­so somen­te para vaci­na­dos con­tra a covid-19 e 2 mil aces­sos para o for­ma­to vir­tu­al do evento.

Pecuarista triplica produção de leite graças à assistência técnica do Senar-TO

O pro­du­tor Rai­mun­do Nona­to Fei­to­sa (foto), do muni­cí­pio de Augus­ti­nó­po­lis, no Tocan­tins, encon­trou na assis­tên­cia téc­ni­ca e geren­ci­al (ATeG) do Senar-TO a opor­tu­ni­da­de e o apoio neces­sá­ri­os para o aper­fei­ço­a­men­to e o cres­ci­men­to de pro­du­ção lei­tei­ra na fazen­da Ter­ra Nova. Hoje o pro­du­tor colhe fru­tos do pro­gres­so na ati­vi­da­de. Com inves­ti­men­to bai­xo e peque­nas mudan­ças no mane­jo dos ani­mais, ele con­se­guiu qua­se tri­pli­car a pro­du­ção de lei­te com um reba­nho menor do que tinha. Em pou­cos meses, o reba­nho sele­ci­o­na­do pelo pro­du­tor rural e a ado­ção das téc­ni­cas fize­ram a pro­du­ção diá­ria de lei­te sal­tar de 120 litros para mais de 300 litros.

Rolar para cima