CRÔNICA

Paulo do Carmo Martins

Chefe geral da Embrapa Gado de Leite

MARÇO AINDA NÃO ACABOU

Março pro­me­tia ser um mês ines­que­cí­vel. Daque­les que que­bram a ten­dên­cia e nos levam para novos rumos. E não era algo sem fun­da­men­to. Já no dia 9, em São Pau­lo, nós, da Embra­pa Gado de Lei­te, fize­mos um even­to que fez his­tó­ria e já com vári­os pedi­dos de nova edi­ção. Foi o Workshop: Tudo sobre a cadeia do lei­te para comu­ni­ca­do­res, que visou expli­car como ocor­re o pro­ces­so de pro­du­ção de lei­te, do insu­mo ao super­mer­ca­do. Foi o pri­mei­ro even­to com o pro­pó­si­to de mos­trar o que é a cadeia pro­du­ti­va do lei­te, para jor­na­lis­tas e influ­en­ci­a­do­res digi­tais. Numa par­ce­ria bem-suce­di­da com a Asso­ci­a­ção Bra­si­lei­ra de Mar­ke­ting Rural e com a Tex­to Comu­ni­ca­ção, reu­ni­mos 58 pro­fis­si­o­nais de 28 órgãos de impren­sa e de oito empre­sas e ins­ti­tui­ções, de 11 esta­dos da Fede­ra­ção. O even­to con­tou com dez pales­tran­tes, da Embra­pa Gado de Lei­te e do ILCT/Epamig.

Dia 11, em Juiz de Fora — MG, outra expe­ri­ên­cia ines­que­cí­vel. Na sede da Embra­pa Gado de Lei­te lan­ça­mos o pro­je­to Mulhe­res! Nos reu­ni­mos para conhe­cer a tra­je­tó­ria de mulhe­res de suces­so. Ini­ci­a­mos com uma jovem jor­na­lis­ta e influ­en­ci­a­do­ra digi­tal, de 26 anos, a den­sa Júlia Hor­ta, miss Bra­sil 2020, falan­do sobre sua tra­je­tó­ria e nos expli­can­do o que é soro­ri­da­de. Você sabe o que é isso? É a bus­ca do fim da riva­li­da­de entre mulhe­res, tão visí­vel para nós, homens. E tive­mos três nar­ra­ti­vas de tra­je­tó­ri­as de mulhe­res do lei­te: a Maria The­re­za Rezen­de, a Jaque­li­ne Ceret­ta e a Maria Anto­ni­e­ta Guaz­ze­li. Mulhe­res admi­rá­veis, ins­pi­ra­do­ras para homens e mulhe­res. Cada uma com uma his­tó­ria de vida mais boni­ta que a outra, de supe­ra­ção e gar­ra!

Já no dia 12 a Embra­pa Gado de Lei­te entre­gou ao Bra­sil o Com­post Barn Vacas e Pes­so­as Feli­zes, o pri­mei­ro ins­ta­la­do em ambi­en­te de pes­qui­sa em todos os paí­ses tro­pi­cais, estru­tu­ra­do em ambi­en­te de Inter­net das Coi­sas. Cons­truí­mos três com­pos­tos. Um peque­no, para recria de ani­mais e, outro, que são dois, pois per­mi­te o uso como Com­post Barn Tra­di­ci­o­nal ou na ver­são pou­co conhe­ci­da de Cross Ven­ti­la­ti­on. 

A tota­li­da­de dos recur­sos inves­ti­dos foi resul­tan­te da par­ce­ria com a Asso­ci­a­ção Gir Lei­tei­ro e com empre­sas de equi­pa­men­tos e ser­vi­ços. Por­tan­to, da ela­bo­ra­ção do pro­je­to ao tér­mi­no da obra, não hou­ve nenhum com­pro­me­ti­men­to orça­men­tá­rio. E tam­bém anun­ci­a­mos, com a Asso­ci­a­ção Bra­si­lei­ra de Gado Holan­dês, o iní­cio dos tra­ba­lhos de genô­mi­ca da raça, que se asso­cia à Giro­lan­do e Gir Lei­tei­ro, raças que já tra­ba­lhá­va­mos geno­mi­ca­men­te.

No dia 12 a Embra­pa Gado de Lei­te entre­gou ao Bra­sil o Com­post Barn Vacas e Pes­so­as Feli­zes, o pri­mei­ro ins­ta­la­do em ambi­en­te de pes­qui­sa em todos os paí­ses tro­pi­cais”

Nes­ta inau­gu­ra­ção sim­ples, mas que con­tou com mais de 500 pes­so­as vin­das de seis esta­dos, tive­mos repre­sen­tan­tes de 74 empre­sas e 25 ins­ti­tui­ções, as prin­ci­pais do mun­do do lei­te, além de repre­sen­tan­tes de 15 uni­ver­si­da­des.  O clí­max do even­to não foi o tra­di­ci­o­nal des­cer­ra­men­to de pla­ca, que não hou­ve, mas a entra­da das vacas no recin­to, após rom­per uma cor­ti­na de Capi­a­çu, um capim que lan­ça­mos há dois anos, cujo suces­so pode ser medi­do de vári­as for­mas, até mes­mo pelo site Mer­ca­do Livre, que tem 334 ven­de­do­res não cre­den­ci­a­dos que o comer­ci­a­li­zam. 

Na par­te da tar­de, anun­ci­a­mos o lan­ça­men­to do Edi­tal DIA – Desa­fio de Ino­va­ção Aber­ta. Esta­mos colo­can­do dis­po­ní­vel para o setor pri­va­do R$ 532,00 mil, em dinhei­ro e até R$ 1 milhão em capi­tal huma­no e infra-estru­tu­ra para par­ce­ri­as com empre­sas e star­tups. Esta­mos con­vi­dan­do empre­sas a apre­sen­ta­rem suas dores. Vamos ana­li­sá-las, veri­fi­car se temos com­pe­tên­cia para resol­vê-las, e que impac­to as solu­ções podem tra­zer. Se pas­sar pelo fil­tro, que­re­mos ser sóci­os! Este pro­je­to pode­ria se cha­mar Senho­ra Bara­ti­nha. Afi­nal, que­re­mos casar com o setor pro­du­ti­vo, temos fita no cabe­lo e dinhei­ro na cai­xi­nha…

Outro even­to emo­ci­o­nan­te foi a Entre­ga da Meda­lha Mário Luiz Mar­ti­nez. O pro­gra­ma de melho­ra­men­to da raça Gir é lide­ra­do pela Embra­pa Gado de Lei­te há 35 nos. O Gir Lei­tei­ro é fru­to da pes­qui­sa e da audá­cia de cri­a­do­res bra­si­lei­ros. Dois lados de uma mes­ma moe­da, que tem como refe­rên­cia o Dr. Mar­ti­nez. Ori­gi­ná­rio da Índia, o Gir Lei­tei­ro nes­te momen­to é cen­tro de nego­ci­a­ção bila­te­ral entre Índia e Bra­sil. De vol­ta à ori­gem… Mas fei­to no Bra­sil.

A Meda­lha é con­fe­ri­da anu­al­men­te a per­so­na­li­da­des, em ape­nas três moda­li­da­des. Este ano, na moda­li­da­de Setor Pro­du­ti­vo, home­na­ge­a­mos Pau­lo Ber­nar­des, pre­si­den­te da Con­fe­de­ra­ção Bra­si­lei­ra das Coo­pe­ra­ti­vas de Lei­te – CBCL. Na cate­go­ria Ins­ti­tui­ções de P&D, a home­na­gem foi para o pre­si­den­te da Fape­mig e ex-rei­tor da UFV, o prof. Dr. Eval­do Vile­la. Na cate­go­ria Embra­pa, os home­na­ge­a­dos foram os pes­qui­sa­do­res Maria Apa­re­ci­da e Renal­di Bri­to, pre­cur­so­res dos tra­ba­lhos rela­ci­o­na­dos à qua­li­da­de do lei­te no Bra­sil.

Pois, tudo isso acon­te­ceu em doze ini­ma­gi­ná­veis dias do mês de mar­ço. O mês podia aca­bar ali. Mas o que os outros deze­no­ve dias nos reser­vou tam­bém foram ini­ma­gi­ná­veis. Mui­tos desen­con­tros. Mui­ta cren­ça. Deci­sões extre­ma­das. Ambi­en­te de incer­te­za e con­fli­tos. E imo­bi­lis­mo e ten­são. Mas isso vou dei­xar para tra­tar no pró­xi­mo mês. Por enquan­to, cui­de­mos todos. Uns dos outros e cada um de si. Afi­nal, mar­ço ain­da não aca­bou!

Rolar para cima