Ministério da Agricultura atende a pleito da Abraleite - Digital Balde Branco

CURTAS

Ministério da Agricultura atende a pleito da Abraleite 

O Minis­té­rio da Agri­cul­tu­ra aca­tou o pedi­do da Abra­lei­te e pror­ro­gou até junho o pra­zo para peque­nos lati­cí­ni­os e coo­pe­ra­ti­vas ven­de­rem lei­te para esta­be­le­ci­men­tos sob Ins­pe­ção Fede­ral (SIF). O Depar­ta­men­to de Ins­pe­ção de Pro­du­tos de Ori­gem Ani­mal (Dipoa) e a Secre­ta­ria de Defe­sa Agro­pe­cuá­ria do Minis­té­rio da Agri­cul­tu­ra publi­ca­ram o Ofí­cio-Cir­cu­lar em dezem­bro, que pror­ro­ga “em cará­ter excep­ci­o­nal até o dia 30/6/2022 a auto­ri­za­ção do rece­bi­men­to de lei­te a gra­nel de uso indus­tri­al de esta­be­le­ci­men­tos regis­tra­dos em outras ins­tân­ci­as de ins­pe­ção (SIE e SIM), em esta­be­le­ci­men­tos sob ins­pe­ção fede­ral”. “É impor­tan­te que bus­quem sua ins­cri­ção no Sisb. Devem pro­cu­rar o ser­vi­ço de ins­pe­ção (muni­ci­pal, esta­du­al ou de con­sór­cio de muni­cí­pi­os) para ori­en­ta­ção. A Abra­lei­te se dispôs a aju­dar numa cam­pa­nha de ori­en­ta­ção aos peque­nos lati­cí­ni­os e coo­pe­ra­ti­vas”, des­ta­ca o secre­tá­rio de Defe­sa Agro­pe­cuá­ria, José Gui­lher­me Leal.

ITAL inaugura laboratório de biotecnologia na área de bactérias láticas e probióticas

O Ins­ti­tu­to Tec­no­lo­gia de Ali­men­tos (Ital), vin­cu­la­do à Agên­cia Pau­lis­ta de Tec­no­lo­gia dos Agro­ne­gó­ci­os (Apta), aca­ba de inau­gu­rar o Labo­ra­tó­rio de Fer­men­ta­ções na área de Bio­tec­no­lo­gia de seu Cen­tro de Tec­no­lo­gia de Lati­cí­ni­os (Tec­no­lat). Vol­ta­da a estu­dos da pro­du­ção de fer­men­tos em esca­la labo­ra­to­ri­al, a nova estru­tu­ra amplia a capa­ci­da­de de pes­qui­sa e desen­vol­vi­men­to de novos pro­ces­sos e pro­du­tos que envol­vem bac­té­ri­as láti­cas e pro­bió­ti­cas, prin­ci­pal­men­te bio­mas­sa e mei­os de cul­tu­ra de menor cus­to, como aque­les à base de soro de quei­jo. Segun­do a pes­qui­sa­do­ra res­pon­sá­vel pelo novo labo­ra­tó­rio, Adri­a­na Tor­res, as bac­té­ri­as áci­do-láti­cas (BAL) e pro­bió­ti­cas têm nume­ro­sas apli­ca­ções na indús­tria de ali­men­tos e far­ma­cêu­ti­ca, sen­do ampla­men­te uti­li­za­das tan­to para pro­du­ção de deri­va­dos lác­te­os e suple­men­tos ali­men­ta­res quan­to para tra­zer carac­te­rís­ti­cas tec­no­ló­gi­cas duran­te o pro­ces­sa­men­to, como a bioconservação.

Epamig busca a caracterização do queijo cabacinha no Vale do Jequitinhonha

Um pro­je­to coor­de­na­do pela Empre­sa de Pes­qui­sa Agro­pe­cuá­ria de Minas Gerais (Epa­mig) vai pro­mo­ver a carac­te­ri­za­ção do quei­jo caba­ci­nha, pro­du­to típi­co da região do Vale do Jequi­ti­nho­nha, em Minas Gerais. Os estu­dos, que con­tam com a par­ti­ci­pa­ção das Uni­ver­si­da­des Fede­rais de Minas Gerais (UFMG) e de São João Del-Rei (UFSJ) e da Ema­ter-MG, envol­vem o acom­pa­nha­men­to do pro­ces­so de fabri­ca­ção do quei­jo e a rea­li­za­ção de aná­li­ses físi­co-quí­mi­cas. “O obje­ti­vo da carac­te­ri­za­ção é sub­si­di­ar o Ins­ti­tu­to Minei­ro de Agro­pe­cuá­ria (IMA) para a cri­a­ção de um regu­la­men­to para o quei­jo caba­ci­nha. Para isso serão cole­ta­das amos­tras de água, lei­te, mas­sa fer­men­ta­da, mas­sa coa­gu­la­da, e do quei­jo pron­to. Serão ana­li­sa­dos o teor de pro­teí­nas, gor­du­ra, sal, extra­to seco, pH, ati­vi­da­de de água e cin­zas. Será inves­ti­ga­da a pre­sen­ça de pató­ge­nos e de bac­té­ri­as láti­cas”, enu­me­ra o pes­qui­sa­dor da Epa­mig Dani­el Aran­tes, coor­de­na­dor do projeto.

Implantação do Pró-Genética no Estado de São Paulo

Mais um impor­tan­te pas­so para o Pró- Gené­ti­ca foi dado recen­te­men­te, des­ta vez em Cam­pi­nas (SP). Tra­ta-se da assi­na­tu­ra do con­vê­nio entre a Asso­ci­a­ção Bra­si­lei­ra dos Cri­a­do­res de Zebu (ABCZ) e o gover­no de São Pau­lo para a imple­men­ta­ção do pro­gra­ma no Esta­do. São Pau­lo pos­sui qua­se 190 mil peque­nas pro­pri­e­da­des rurais e o Pró-Gené­ti­ca vem para apoi­ar esses cri­a­do­res. “Esse pro­je­to dará opor­tu­ni­da­de para o peque­no pro­du­tor da agri­cul­tu­ra fami­li­ar levar tec­no­lo­gia da por­tei­ra para den­tro na pro­du­ção de lei­te e car­ne jun­to com a Cati (bra­ço exten­si­o­nis­ta da Secre­ta­ria de Agri­cul­tu­ra pau­lis­ta)”, diz o pre­si­den­te da ABCZ, Rival­do Macha­do Bor­ges Júnior.

Senar: cartilha sobre agroindústria de leite 

Para quem tem inte­res­se em aper­fei­ço­ar o conhe­ci­men­to na agroin­dús­tria do lei­te, o Ser­vi­ço Naci­o­nal de Apren­di­za­gem Rural (Senar) dará essa opor­tu­ni­da­de, com o lan­ça­men­to da car­ti­lha vir­tu­al com con­teú­do espe­cí­fi­co sobre o assun­to. Ela é gra­tui­ta, de fácil aces­so, e está dis­po­ní­vel para down­lo­ad no site da Estan­te Vir­tu­al do Senar (https://www.cnabrasil.org.br/senar/colecao-senar) ou pelo apli­ca­ti­vo com o mes­mo nome nas lojas da Apple ou Play Sto­re. A publi­ca­ção “Agroin­dús­tria: deri­va­dos de lei­te de bovi­nos” abor­da o pro­ces­so para obten­ção do ali­men­to de for­ma higi­ê­ni­ca, pas­teu­ri­za­ção, fabri­ca­ção de quei­jos, pro­du­ção de deri­va­dos fer­men­ta­dos do lei­te e doce de lei­te. Tam­bém expli­ca os tipos de emba­la­gens para a comer­ci­a­li­za­ção e o arma­ze­na­men­to do alimento.