“Nenhum homem é uma ilha” - Digital Balde Branco

TENDÊNCIAS

Pedro Braga Arcuri 

Pesquisador da Embrapa Gado de Leite

“Nenhum homem é uma ilha”

Alguns exem­plos demons­tram que pro­du­ção de lei­te de menor impac­to para o ambi­en­te, e ao mes­mo tem­po com gover­nan­ça pre­o­cu­pa­da com os mei­os e a qua­li­da­de de vida dos pro­du­to­res, empre­ga­dos e con­su­mi­do­res, tem fun­da­men­to e apoia os Obje­ti­vos de Desen­vol­vi­men­to Sus­ten­tá­vel da Orga­ni­za­ção das Nações Uni­das (ODS). Veja­mos: o ODS 6, “Água Potá­vel e Sane­a­men­to”, é for­ta­le­ci­do quan­do pro­du­to­res e indús­tri­as pra­ti­cam o mane­jo de deje­tos e resí­du­os e con­tro­lam o uso de fer­ti­li­zan­tes, deter­gen­tes e outros insu­mos, redu­zin­do ao máxi­mo o ris­co de con­ta­mi­na­ção da água. Atin­gir o ODS núme­ro 7, “Ener­gia lim­pa e bara­ta”, é hoje mais do que uma ten­dên­cia, é uma opor­tu­ni­da­de para pro­du­to­res e indús­tri­as inves­ti­rem em fon­tes reno­vá­veis de ener­gia, como gera­ção de bio­gás, ele­tri­ci­da­de foto­vol­tai­ca solar, ou eóli­ca. Exis­tem finan­ci­a­men­tos dis­po­ní­veis, que per­mi­tem cobrir o inves­ti­men­to e redu­zir mui­to o cus­to da ener­gia na propriedade.

Por sua vez, o obje­ti­vo núme­ro 12, “Con­su­mo e Pro­du­ção Res­pon­sá­veis”, diz res­pei­to a algo cada vez mais impor­tan­te: a redu­ção do des­per­dí­cio, do “con­su­mis­mo”, que sig­ni­fi­ca con­su­mo sem neces­si­da­de, exa­ge­ra­do. O geren­ci­a­men­to efi­ci­en­te dos nos­sos recur­sos natu­rais com­par­ti­lha­dos e a for­ma que nós des­car­ta­mos qual­quer lixo são os aspec­tos mais impor­tan­tes rela­ci­o­na­dos ao ODS 12. E nele pode­mos con­si­de­rar outro prin­cí­pio, o de “redu­zir, reci­clar, reu­sar”. Para ficar em mais um exem­plo, redu­zir o des­per­dí­cio de ali­men­tos, des­de a colhei­ta de grãos com máqui­nas bem regu­la­das, o arma­ze­na­men­to cor­re­to e o pre­pa­ro da comi­da sem sobras exageradas. 

O cír­cu­lo vir­tu­o­so dos ODSs tam­bém está rela­ci­o­na­do à agri­cul­tu­ra rege­ne­ra­ti­va, como comen­ta­do pelo ex-minis­tro da Agri­cul­tu­ra Rober­to Rodri­gues, num dos seus exce­len­tes comen­tá­ri­os, em abril pas­sa­do. A agri­cul­tu­ra rege­ne­ra­ti­va pro­põe asso­ci­ar a saú­de do solo à saú­de huma­na a par­tir da pro­du­ção agrí­co­la sus­ten­tá­vel. Como fazer? Vol­ta o cír­cu­lo vir­tu­o­so: evi­tan­do des­per­dí­ci­os, evi­tan­do poluir o ambi­en­te, pre­ser­van­do matas nati­vas e nas­cen­tes. Mas sem esque­cer da ren­ta­bi­li­da­de do negó­cio! Ain­da mais quan­do a cadeia do lei­te enfren­ta cus­tos ele­va­dos, que aper­tam ain­da mais as mar­gens dos pro­du­to­res e indús­tri­as, pres­si­o­na­dos pela que­da na deman­da, que tem como cau­sa a pan­de­mia de covid-19. 

Nes­te momen­to, nos­sa expec­ta­ti­va é de que a reno­va­ção do pro­gra­ma do auxí­lio emer­gen­ci­al do gover­no fede­ral, mes­mo que em esca­la mais redu­zi­da, lon­ge do dese­já­vel, pos­sa tra­zer algum alí­vio para o mer­ca­do inter­no nos pró­xi­mos meses. Mas, jus­ta­men­te por­que os tem­pos são difí­ceis, toda a cadeia do lei­te deve estar foca­da para entre­gar qua­li­da­de e valo­res deman­da­dos pelos con­su­mi­do­res, como os cita­dos aci­ma, garan­tin­do mercado.

Em 1º de junho come­mo­ra­mos o Dia Mun­di­al do Lei­te, e, no dia 5, o Dia Mun­di­al do Meio Ambi­en­te e vári­os dias san­tos cató­li­cos, que são momen­tos de bus­ca de paz e har­mo­nia entre todos e por isso cele­bra­dos além de pro­cis­sões e mis­sas, com mui­tas comi­das típi­cas, vári­as delas à base de lei­te. Lei­te, ambi­en­te, fes­tas reli­gi­o­sas nos reme­tem nova­men­te ao fun­da­men­to dos ODSs, pes­so­as, pla­ne­ta, pros­pe­ri­da­de, paz e par­ce­ri­as. Agin­do para atin­gir qual­quer um dos ODSs, esta­re­mos agin­do para for­ta­le­cer a cadeia do lei­te para enfren­tar as cri­ses recor­ren­tes, tornando‑a mais sus­ten­tá­vel e garan­tin­do, por isso, que as pes­so­as que virão pos­sam viver nes­te pla­ne­ta com paz e prosperidade. 

Aliás, o últi­mo, mas não menos impor­tan­te, obje­ti­vo pro­mo­ve a for­ma­ção de par­ce­ri­as. Afi­nal, como escre­veu o poe­ta inglês John Don­ne, sécu­los atrás, “nenhum homem é uma ilha”, para expres­sar a ideia de que os seres huma­nos não pros­pe­ram quan­do iso­la­dos uns dos outros. Todos nós pre­ci­sa­mos fazer par­te e pro­mo­ver comu­ni­da­des sus­ten­tá­veis, nes­te caso, a dinâ­mi­ca cadeia pro­du­ti­va do lei­te brasileiro.

Rolar para cima