Nutrição de precisão e a sustentabilidade na produção de leite - Digital Balde Branco

Vacas lei­tei­ras lucra­ti­vas apre­sen­tam ele­va­da efi­ci­ên­cia de uso dos nutri­en­tes inge­ri­dos, fator que tam­bém sig­ni­fi­ca máxi­mo apro­vei­ta­men­to, redu­zin­do o impac­to ambiental


Por Ale­xan­dre M. Pedro­so, enge­nhei­ro agrô­no­mo e con­sul­tor téc­ni­co da Car­gill Nutri­ção Animal

Den­tre as diver­sas prá­ti­cas de mane­jo que uma fazen­da lei­tei­ra pode ado­tar para con­se­guir ele­va­da efi­ci­ên­cia ali­men­tar, a nutri­ção de pre­ci­são é uma das que podem pro­du­zir efei­tos mais sig­ni­fi­ca­ti­vos. O con­cei­to se baseia na ado­ção de padrões rígi­dos de qua­li­da­de nas ope­ra­ções de ali­men­ta­ção a fim de evi­tar des­per­dí­ci­os, tor­nar mais efi­ci­en­te a uti­li­za­ção dos nutri­en­tes pelas vacas e con­tri­buir deci­si­va­men­te para a redu­ção na emis­são de poluentes.

A efi­ci­ên­cia pro­du­ti­va de uma vaca lei­tei­ra pode ser medi­da de diver­sas for­mas, mas tal­vez a melhor delas seja a rela­ção entre gas­to de ener­gia e pro­du­ção de lei­te, uma vez que aten­der aos reque­ri­men­tos ener­gé­ti­cos de um ani­mal é o prin­ci­pal cus­to asso­ci­a­do ao mane­jo da ali­men­ta­ção. Via de regra, vacas que pro­du­zem mais lei­te ten­dem a ser mais efi­ci­en­tes do pon­to de vis­ta do uso da energia.

O pro­ces­so bio­ló­gi­co que sus­ten­ta o aumen­to da efi­ci­ên­cia pro­du­ti­va é cha­ma­do de efei­to de dilui­ção da man­ten­ça. A figu­ra 1 mos­tra o impac­to des­sa ques­tão, usan­do como exem­plo uma vaca de 650 kg pro­du­zin­do dife­ren­tes quan­ti­da­des de lei­te. Inde­pen­den­te­men­te do volu­me pro­du­zi­do, a ener­gia neces­sá­ria para a man­ten­ça des­sa vaca é sem­pre a mes­ma, 10,3 Mcal/dia. À medi­da que aumen­ta a pro­du­ção diá­ria de lei­te, cres­ce o reque­ri­men­to de ener­gia para supor­tar a deman­da pro­du­ti­va, de for­ma que há redu­ção na pro­por­ção de ener­gia total usa­da para a mantença.

Des­sa for­ma, se pro­du­zir 7 kg de lei­te ao dia, a vaca neces­si­ta­rá de 2,14 Mcal/kg de lei­te. No entan­to, se pro­du­zir 29 kg de lei­te, usa­rá ape­nas 1,07 Mcal/kg de lei­te, uma redu­ção de 50% na ener­gia neces­sá­ria para pro­du­zir cada kg de lei­te. Esse ganho em efi­ci­ên­cia ener­gé­ti­ca não sig­ni­fi­ca neces­sa­ri­a­men­te mai­or efi­ci­ên­cia ali­men­tar, uma vez que para pro­du­zir mais lei­te a vaca tem que inge­rir mui­to mais ali­men­to. Ganhos nes­se sen­ti­do tam­bém con­tri­bu­em para a efi­ci­ên­cia geral e geram lucros para as fazen­das leiteiras.

A par­tir do momen­to em que já se pro­cu­ra uti­li­zar ani­mais mais efi­ci­en­tes, não há outro cami­nho para con­ti­nu­ar melho­ran­do a efi­ci­ên­cia pro­du­ti­va a não ser pelo aper­fei­ço­a­men­to da efi­ci­ên­cia ali­men­tar. Em ter­mos bási­cos, tal fator nos mos­tra até que pon­to a die­ta das vacas está aten­den­do às suas exi­gên­ci­as nutri­ci­o­nais e à sua deman­da pro­du­ti­va. Em ter­mos mais amplos, esse índi­ce nos apon­ta fato­res da die­ta, mane­jo e ambi­en­te que afe­tam a diges­ti­bi­li­da­de dos ali­men­tos e os reque­ri­men­tos de manu­ten­ção do ani­mal. É um parâ­me­tro que afe­ta dire­ta­men­te o bol­so do pro­du­tor de leite.

Atu­al­men­te, há outra pre­o­cu­pa­ção em rela­ção à ener­gia ali­men­tar, pois, para vacas em lac­ta­ção, se o ali­men­to inge­ri­do não vira lei­te, ele se trans­for­ma em deje­tos. Ava­li­ar a efi­ci­ên­cia de con­ver­são dos nutri­en­tes con­su­mi­dos em pro­du­tos comer­ci­a­li­zá­veis pode ser uma óti­ma fer­ra­men­ta para saber se o pro­du­tor está obten­do um retor­no satis­fa­tó­rio do dinhei­ro inves­ti­do na ali­men­ta­ção das vacas e se é pos­sí­vel redu­zir o volu­me de ester­co pro­du­zi­do na fazen­da, o que se tor­na mais e mais impor­tan­te a cada dia.

Leia a ínte­gra des­ta maté­ria na edi­ção Bal­de Bran­co 633, de julho 2017

Rolar para cima