balde branco

A alergia à proteína do leite de vaca (APLV) é constantemente confundida com a intolerância à lactose e vice-versa. Veja como diferenciar

Diante de sinais de alergia à proteína do leite de vaca (APLV), recomenda-se a consulta e o acompanhamento de um profissional , com diagnóstico adequado, antes de iniciar qualquer tratamento. Para esclarecer alguns pontos importantes que causam esse tipo de confusão, a consultora e nutricionista da Viva Lácteos (Associação Brasileira de Laticínios), Ana Paula Del´Arco fala sobre o assunto.

1- Não existe alergia a lactose.

A lactose é o açúcar do leite, um carboidrato e, portanto, o que está associado à lactose é a intolerância e não uma reação alérgica. Isso por que as reações alérgicas se relacionam com proteínas, sejam de origem animal ou vegetal, causando manifestações cutâneas, digestivas e/ou respiratórias. Os tipos mais comuns são as alergias alimentares que estão relacionadas ao leite de vaca, soja, ovo e trigo, sendo que existem relatos frequentes de alergias relacionadas à peixe, frutos do mar, amendoim e castanhas.

2- As alergias alimentares acometem em torno de 6% das crianças menores de 3 anos de idade, sendo a APLV a mais comum.

Há maior ocorrência de alergias alimentares no primeiro ano de vida, uma vez que o organismo do bebê ainda não está maduro o suficiente, e assim passa a reagir às novas proteínas (não humanas) as quais seu organismo entra em contato.

 3- Uma pessoa com APLV não pode entrar em contato com o leite ou com produtos que contenham o alimento em sua composição, inclusive cosméticos.

Os principais sintomas da APLV, relacionados ao sistema digestivo são sangue nas fezes, cólicas, diarreia e constipação, como também sintomas na pele, como dermatite atópica e outras manifestações cutâneas.

4- Dentre as principais hipóteses associadas às possíveis causas das alergias, estão a genética e a tão conhecida “hipótese da higiene”.

Esta dizia que as exposições a ambientes não higiênicos poderiam proteger o organismo para o desenvolvimento de alergias, por que quanto mais exposto a corpos estranhos, mais o sistema imunológico estaria preparado. Em relação a APLV, a exposição precoce ao leite de vaca também está associada a possível causa da alergia, sendo recomendação da SBP, que a introdução do leite de vaca na alimentação ocorra apenas após 1 ano de idade.

5- Em muitos casos a APLV é transitória, até que o organismo esteja apto para então, reconhecer as proteínas não humanas como benéficas.

Inicialmente, quando diagnosticada a APLV, o recomendado é a exclusão do leite de vaca da dieta e quando bebê, o indicado é que se utilize as fórmulas especiais, como as fórmulas extensamente hidrolisadas, não sendo recomendadas as fórmulas de soja nos primeiros seis meses de vida. Assim como a APLV, as alergias alimentares, como a alergia ao ovo e a soja podem ser transitórias, devendo haver tentativas de reintrodução alimentar a cada 6 a 12 meses, para verificar se o organismo desenvolveu tolerância à proteína, sempre com acompanhamento de um profissional da saúde.

6- Em caso de exclusão dos lácteos deve-se ter atenção ao balanço nutricional de cálcio.

Essa medida é indicada se a APLV persistir e, nestes casos, o acompanhamento nutricional e a suplementação são fundamentais, pois a exclusão prolongada de alimentos pode trazer prejuízos nutricionais sérios. As fontes lácteas são aquelas que mais fornecem cálcio, quando considerada a relação quantidade e percentual de absorção, sendo as fontes vegetais de cálcio menos biodisponíveis, ou seja, não se apresentam quimicamente adequadas para a absorção do organismo.

Abrir bate-papo
1
Escanear o código
Olá 👋
Podemos ajudá-lo?