PIB do agro tem alta de 1,09% - Digital Balde Branco

O Pro­du­to Inter­no Bru­to (PIB) do agro­ne­gó­cio cres­ceu 0,6% em feve­rei­ro e acu­mu­la alta de 1,09% nos pri­mei­ros dois meses de 2016, segun­do a CNA-Con­fe­de­ra­ção da Agri­cultura e Pecuá­ria do Bra­sil e o Cepea-Cen­tro de Estu­dos Avan­ça­dos em Eco­no­mia Apli­cada/USP. Todos os elos que envol­vem a cadeia pro­du­ti­va do setor apre­sen­ta­ram expan­são no perío­do, com des­ta­que para a indús­tria, que teve vari­a­ção de 1,24%.

O resul­ta­do do PIB foi puxa­do pela cadeia agríco­la, que teve cres­ci­men­to de 0,9% em feve­rei­ro, che­gan­do a 1,62% no acu­mu­la­do de 2016 (janeiro/fevereiro). Nes­te seg­men­to, a pro­du­ção primá­ria foi a prin­ci­pal res­pon­sá­vel por impul­si­o­nar o setor na agri­cul­tu­ra em 2016, com alta de 2,10% no bimes­tre. Já o desem­pe­nho da pecuá­ria, de modo geral, foi nega­ti­vo, com que­da de 0,03 em feve­rei­ro e retra­ção de 0,06% nos pri­mei­ros dois meses do ano.

A agri­cul­tu­ra foi o gran­de des­ta­que na pro­du­ção pri­má­ria (den­tro da por­tei­ra), em razão da alta dos pre­ços, que vari­a­ram de 12,56% na com­pa­ra­ção bimes­tral 2016/2015. O setor impul­si­o­nou, tam­bém, a agroin­dús­tria. A par­te de pro­ces­sa­men­to vege­tal teve bom desem­pe­nho espe­ci­al­men­te por con­ta da ele­va­ção de pre­ços, com des­ta­que para celu­lo­se e papel, eta­nol e açúcar.

Rolar para cima