Prefeitura cria programa para incrementar a produção de leite - Digital Balde Branco

MAIS LEI­TE

PRE­FEI­TU­RA CRIA

pro­gra­ma para incre­men­tar a

PRO­DU­ÇÃO DE LEITE

Ini­ci­a­ti­va vai pro­mo­ver a doa­ção de embriões de pre­nhe­zes da raça Giro­lan­do, além de asse­gu­rar o acom­pa­nha­men­to téc­ni­co até o nas­ci­men­to da bezerra

A pre­fei­tu­ra de São Gon­ça­lo do Rio Abai­xo, pró­xi­mo a Belo Hori­zon­te-MG, lan­çou recen­te­men­te o Pro­gra­ma Cam­po Fér­til + Lei­te, duran­te a pro­gra­ma­ção da 2ª Sema­na do Pro­du­tor Rural. A expec­ta­ti­va é tri­pli­car a pro­du­ção lei­tei­ra dos peque­nos pro­du­to­res do município.

Esti­ve­ram pre­sen­tes ao even­to mais de 100 pecu­a­ris­tas com poten­ci­al de serem bene­fi­ciá­ri­os do pro­gra­ma. Por meio da Secre­ta­ria Muni­ci­pal de Agri­cul­tu­ra, “serão doa­dos embriões de pre­nhe­zes de vacas da raça Giro­lan­do, além da con­ces­são com­ple­ta de toda a pres­ta­ção de ser­vi­ços de implan­ta­ção e acom­pa­nha­men­to do gado até o nas­ci­men­to dos bezer­ros”, expli­ca o pre­fei­to do muni­cí­pio minei­ro, Antô­nio Car­los Noro­nha Bicalho.

A ini­ci­a­ti­va é mais um avan­ço do Pro­gra­ma Cam­po Fér­til, que come­çou em agos­to de 2013, com o obje­ti­vo de fixar o homem no cam­po, valo­ri­zan­do sua ati­vi­da­de, ele­van­do ganhos em pro­du­ti­vi­da­de e ren­da. Com o pro­gra­ma, os pro­du­to­res terão assis­tên­cia téc­ni­ca, alguns insu­mos sub­si­di­a­dos e aces­so a equi­pa­men­tos agrícolas.

O Pro­gra­ma Cam­po Fér­til, fei­to com a con­sul­to­ria Via­Ver­de, sob a coor­de­na­ção do agrô­no­mo Gabri­el Car­do­zo de Almei­da Lara, aten­de a 183 pro­du­to­res, que já con­se­gui­ram um avan­ço sig­ni­fi­ca­ti­vo, sain­do de 5 para 10 litros a média vaca/dia. O agrô­no­mo Lara nota que o prin­ci­pal avan­ço foi con­se­guir mai­or efi­ci­ên­cia na pro­du­ção de ali­men­to para o gado, com base no mane­jo cor­re­to da pas­ta­gem, a par­tir da ado­ção do pas­te­jo rota­ci­o­na­do, e tam­bém com o uso cor­re­to do concentrado.

 

Ago­ra, ao ace­le­rar o melho­ra­men­to gené­ti­co com a doa­ção de embriões, será pos­sí­vel encur­tá-lo em pelo menos três gera­ções – ou cer­ca de dez anos de sele­ção –, per­mi­tin­do sal­tos rápi­dos na pro­du­ção e na qua­li­da­de de lei­te. Lara expli­ca que o pro­ces­so ocor­re por meio de fer­ti­li­za­ção in vitro (FIV), que con­sis­te na pro­du­ção de ani­mais com carac­te­rís­ti­cas gené­ti­cas supe­ri­o­res em um menor tem­po. “Serão cole­ta­dos os óvu­los das doa­do­ras (Gir PO), com lac­ta­ção supe­ri­or a 5.000 litros de lei­te. Pos­te­ri­or­men­te, ocor­re­rá a fer­ti­li­za­ção arti­fi­ci­al no labo­ra­tó­rio, uti­li­zan­do o sêmen de tou­ros melho­ra­do­res e, por fim, o pro­ce­di­men­to é encer­ra­do com a trans­fe­rên­cia de embriões para as receptoras.”

Segun­do obser­va o pre­fei­to Bica­lho, o pro­gra­ma é fru­to de mui­ta pes­qui­sa e via­gens em bus­ca de infor­ma­ções fei­tas por ele a vári­os muni­cí­pi­os bra­si­lei­ros. “Andei mui­to, estu­dei e pes­qui­sei mui­to. Esse pro­gra­ma vem para gerar ren­da e empre­go. Esta­mos lan­çan­do um pro­je­to pio­nei­ro por­que acre­di­ta­mos que o pro­du­tor de São Gon­ça­lo tem que ser pio­nei­ro”, destaca.

“Andei, estu­dei e pes­qui­sei mui­to para ado­tar esse pro­gra­ma que bene­fi­cia os peque­nos pro­du­to­res de leite”

Antô­nio Car­los Bicalho

Ele esti­ma resul­ta­dos mais ani­ma­do­res para o futu­ro da pecuá­ria do muni­cí­pio. “Já rece­bi vári­as liga­ções per­gun­tan­do o que isso pode­ria acar­re­tar em São Gon­ça­lo, se fizer­mos esse pro­je­to por três anos segui­dos. Então, resol­vi fazer as con­tas: se pro­mo­ver­mos a doa­ção de três embriões para cada pro­du­tor, vamos supor que vão nas­cer em tor­no de 200 bezer­ras por ano. Pen­san­do nis­so, a par­tir do quin­to ano do pro­je­to, pode­re­mos tri­pli­car a pro­du­ti­vi­da­de”, calcula.

As ati­vi­da­des na área do melho­ra­men­to gené­ti­co dos reba­nhos serão exe­cu­ta­das pela Fert­plan, empre­sa do setor agro­pe­cuá­rio espe­ci­a­li­za­da em repro­du­ção ani­mal. Já a empre­sa Via­Ver­de con­ti­nua sua par­ti­ci­pa­ção no pro­gra­ma, pro­mo­ven­do assis­tên­cia téc­ni­ca aos produtores.

“Com o novo pro­gra­ma, os pro­du­to­res pode­rão che­gar a uma média de 30 litros/vaca/dia”

Gabri­el Lara

Segun­do o coor­de­na­dor do pro­gra­ma, Gabri­el Lara, com o melho­ra­men­to gené­ti­co dos ani­mais, have­rá aumen­to na pro­por­ção de nas­ci­men­to de fême­as, mai­or pro­du­ti­vi­da­de de leite/vaca/ano, garan­ti­da pelo melhor mane­jo nutri­ci­o­nal dos ani­mais e, con­se­quen­te­men­te, incre­men­to na ren­da com a ati­vi­da­de. “A mai­or expec­ta­ti­va é de ampli­a­ção da pro­du­ção diá­ria de lei­te por ani­mal, já que a prin­ci­pal limi­ta­ção no momen­to é a gené­ti­ca, ou seja, ani­mais com mai­or apti­dão lei­tei­ra. Dados da secre­ta­ria muni­ci­pal de Agri­cul­tu­ra apon­tam que, hoje, os peque­nos pecu­a­ris­tas de São Gon­ça­lo pro­du­zem em média 10 litros de lei­te por vaca/dia. No futu­ro, os pro­du­to­res que ade­ri­rem ao pro­gra­ma pode­rão atin­gir pro­du­ção de cer­ca de 30 litros vaca/dia”, calcula.

Podem par­ti­ci­par do Cam­po Fér­til + Lei­te peque­nos pro­du­to­res, com pro­du­ção de até 1.000 litros por dia. Tam­bém é neces­sá­rio que os inte­res­sa­dos com­pro­vem o desen­vol­vi­men­to de ati­vi­da­des no setor agro­pe­cuá­rio por um perío­do míni­mo de dois anos no município.

“Opor­tu­ni­da­de para os peque­nos pro­du­to­res aumen­ta­rem pro­du­ção e renda” Eus­tá­quio dos Santos

Pro­du­to­res estão oti­mis­tasEus­tá­quio Vitó­rio dos San­tos, do Sítio Dacó, se inte­grou ao Cam­po Fér­til + Lei­te, que ele vê como mais uma opor­tu­ni­da­de para melho­rar. No dia da sole­ni­da­de de lan­ça­men­to do pro­gra­ma, já garan­tiu seu cadas­tra­men­to. “A ideia é mui­to boa. Desen­vol­vo as ati­vi­da­des pecuá­ri­as em famí­lia e acre­di­to que pode­rei ele­var minha pro­du­ção de lei­te em um futu­ro pró­xi­mo”, comenta.

Por seu lado, o pecu­a­ris­ta Már­cio Lúcio, do  Sítio  San­ta­na da Tabe­buia, que já se bene­fi­ci­ou do Pro­gra­ma  Cam­po Fér­til e hoje pro­duz ali­men­tos para os ani­mais com mais efi­ci­ên­cia, faz ques­tão de fri­sar: “É o que está­va­mos pre­ci­san­do. Ini­ci­al­men­te, com a ori­en­ta­ção e aju­da da Pre­fei­tu­ra, melho­ra­mos a pas­ta­gem e ago­ra vamos melho­rar a gené­ti­ca. Vamos che­gar aon­de pre­ci­sá­va­mos”, avalia.

Já Dimas Gon­çal­ves Figuei­re­do, do Sítio Timi­rim, diz que não per­deu tem­po e já faz par­te do novo pro­gra­ma para o melho­ra­men­to do reba­nho. “Não demo­rei para me ins­cre­ver, pois não podia dei­xar esca­par essa opor­tu­ni­da­de. Sem essa aju­da fica mui­to difí­cil a gen­te avan­çar, por isso é de mui­ta valia para o pro­du­tor. Até onde sei, outros muni­cí­pi­os não ofe­re­cem esse tipo de apoio. Hoje pro­du­zo entre 170 e 180 litros de lei­te por dia e que­ro che­gar a 300 litros diá­ri­os”, diz, assi­na­lan­do que von­ta­de de tra­ba­lhar e de seguir à ris­ca as reco­men­da­ções téc­ni­cas não lhe falta.

Tam­bém Pedro Lúcio de Oli­vei­ra, do Sítio Ale­gria, lem­bra de ter melho­ra­do sua pro­du­ção lei­tei­ra quan­do ingres­sou no Cam­po Fér­til. “Des­co­nhe­ço um lugar que ofer­te tan­ta opor­tu­ni­da­de aos pro­du­to­res rurais. Quem abra­çou a cau­sa melho­rou. Vou con­ti­nu­ar me capa­ci­tan­do para avan­çar sem­pre mais”, avalia

Com a cola­bo­ra­ção de Anág­nia Flóis

“Sem a aju­da do muni­cí­pio, é mui­to difí­cil o pro­du­tor melhorar”

Dimas Figuei­e­do

Rolar para cima