Premix-Agrocria anuncia nova coordenadora na área de bovinos leiteiros - Digital Balde Branco

VITRINE

Premix-Agrocria anuncia nova coordenadora na área de bovinos leiteiros

Com a mis­são de desen­vol­ver pro­du­tos que aten­dam às novas neces­si­da­des do setor, a zoo­tec­nis­ta Elis­sa For­gi­a­ri­ni Viz­zot­to (foto) che­ga à Pre­mix-Agro­cria para assu­mir a Coor­de­na­do­ria Téc­ni­ca de Bovi­nos Lei­tei­ros da empre­sa. Mai­or tec­ni­fi­ca­ção tem leva­do o setor lei­tei­ro à evo­lu­ção de for­ma posi­ti­va nos últi­mos anos, tan­to em pro­du­ti­vi­da­de, nutri­ção e tec­ni­fi­ca­ção quan­to em rela­ção às ques­tões de sani­da­de dos ani­mais, infra­es­tru­tu­ra e desen­vol­vi­men­to sus­ten­tá­vel. “Já pode­mos mos­trar para o mun­do que no Bra­sil é pos­sí­vel fazer uma pecuá­ria de bai­xo car­bo­no, sus­ten­tá­vel, com redu­ção do uso de anti­bió­ti­cos e que con­tem­ple os prin­cí­pi­os de bem-estar ani­mal”, des­ta­ca Elissa.

Ferramenta de monitoramento auxilia na tomada de decisão para a pecuária de leite

O médi­co vete­ri­ná­rio Lin­coln Medei­ros, da All­flex, que aten­de fazen­das no Para­ná e em San­ta Cata­ri­na, tam­bém é um entu­si­as­ta da tec­no­lo­gia de moni­to­ra­men­to como bra­ço direi­to do pro­fis­si­o­nal na fazen­da. O espe­ci­a­lis­ta men­ci­o­na o caso da pro­pri­e­da­de Lei­te Popó, em Pal­mas (PR). Para ele, a tec­no­lo­gia de moni­to­ra­men­to aju­da a tor­nar mais segu­ras as deci­sões que antes eram toma­das ape­nas com base na obser­va­ção e hoje repre­sen­ta uma fer­ra­men­ta prá­ti­ca e asser­ti­va para fazer ava­li­a­ções. Para se ter ideia, a pro­pri­e­da­de, que con­ta com 100 ani­mais em lac­ta­ção e 240 ani­mais no reba­nho total, pro­du­zin­do cer­ca de 35 a 37 kg leite/vaca/dia, após o uso da fer­ra­men­ta, teve um aumen­to na taxa de con­cep­ção em 10% e a de ser­vi­ço aumen­tou de 30% a 40%.

Critérios na seleção de touros e doadoras garantem melhores resultados na produção de embriões bovinos

As téc­ni­cas de pro­du­ção embri­o­ná­ria abri­ram fron­tei­ras para o melho­ra­men­to gené­ti­co em todo o País, mas, para gerar ani­mais supe­ri­o­res, que pro­por­ci­o­nem alta ren­ta­bi­li­da­de aos pro­du­to­res, é pre­ci­so estar aten­to à sele­ção dos tou­ros ado­ta­dos para aca­sa­lar com as doa­do­ras. No pro­gra­ma Semex Embryos, ofe­re­ci­do pela Semex Bra­sil com uso da tec­no­lo­gia líder do Cenat­te Embriões, par­cei­ro Bovi­teq do Cana­dá, a sele­ção dos tou­ros acon­te­ce ado­tan­do alguns cui­da­dos: os tou­ros sele­ci­o­na­dos são os de des­ta­que de sua bate­ria; têm a saú­de cri­te­ri­o­sa­men­te ava­li­a­da; apre­sen­tam pro­va com alto índi­ce de pro­du­ção de lei­te e con­for­ma­ção. Tudo isso para entre­gar aos pro­du­to­res pro­gê­ni­es de alto desempenho.

Onfarm e Danone firmam parceria por meio do Programa Mais Leite Saudável

Com o obje­ti­vo de fomen­tar o desen­vol­vi­men­to dos seus pro­du­to­res e dar novos pas­sos rumo à cap­ta­ção de um lei­te com cada vez mais qua­li­da­de, a Dano­ne e a OnFarm, empre­sa que ofe­re­ce solu­ção para a iden­ti­fi­ca­ção da mas­ti­te em vacas, fir­ma­ram uma par­ce­ria por meio do Pro­gra­ma Mais Lei­te Sau­dá­vel (PMLS), ini­ci­a­ti­va do Minis­té­rio da Agri­cul­tu­ra. O pro­je­to abran­ge­rá 60 fazen­das e repre­sen­ta mais um avan­ço da com­pa­nhia no desen­vol­vi­men­to con­tí­nuo de seus for­ne­ce­do­res rumo a uma pro­du­ção cada vez mais sus­ten­tá­vel, pre­zan­do pelo meio ambi­en­te, o bem-estar ani­mal e a saú­de das pes­so­as. A fer­ra­men­ta da OnFarm foi uma das sele­ci­o­na­das pela Dano­ne, já que ofe­re­ce uma solu­ção sim­ples, que per­mi­te a iden­ti­fi­ca­ção da cau­sa da mas­ti­te em 24 horas, na pró­pria fazen­da, atra­vés da cul­tu­ra microbiológica.

Juliano Sabella, diretor de marketing da DSM, assume a presidência da Asbram

A Asso­ci­a­ção Bra­si­lei­ra de Indús­tri­as de Suple­men­tos Mine­rais (Asbram) está com um novo pre­si­den­te. Tra­ta-se de Juli­a­no Sabel­la Ace­do, zoo­tec­nis­ta e dire­tor de mar­ke­ting da DSM, empre­sa deten­to­ra da mar­ca Tor­tu­ga. Sabel­la pos­sui uma vas­ta expe­ri­ên­cia de 22 anos mer­gu­lha­do no mun­do da suple­men­ta­ção mine­ral dos reba­nhos de cor­te e lei­te. Segun­do o diri­gen­te, a Asbram aumen­tou o núme­ro de asso­ci­a­dos, sen­do cada vez mais impor­tan­te e repre­sen­ta­ti­va. “Isso faz com que nos­sas ações ganhem mais for­ça. Um exem­plo é a nos­sa cam­pa­nha de estí­mu­lo de uso de suple­men­tos, que leva dados com­pro­van­do o custo/benefício deles e as van­ta­gens de se utilizá-los.”

Economia de até 30% com o uso de Nattimilk na dieta de bezerras

O uso de suce­dâ­ne­os lác­te­os, como o Nat­ti­milk, da Aus­ter, pro­por­ci­o­na inú­me­ros bene­fí­ci­os ao pro­du­tor, em espe­ci­al a redu­ção de até 30% nos gas­tos do alei­ta­men­to ou, ain­da, 3:1 na rela­ção bene­fí­cio-cus­to, “melho­ran­do o resul­ta­do zoo­téc­ni­co e econô­mi­co”, res­sal­ta enge­nhei­ro agrô­no­mo da Aus­ter Nutri­ção Ani­mal, Wili­am Tab­choury. Sua for­mu­la­ção poten­ci­a­li­za o desen­vol­vi­men­to das bezer­ras, pos­si­bi­li­tan­do mai­or desem­pe­nho pro­du­ti­vo e zoo­téc­ni­co em com­pa­ra­ção com bezer­ras cri­a­das com o lei­te de vaca.

Mercado de genética bovina cresceu mais de 21% em 2021

A Asso­ci­a­ção Bra­si­lei­ra da Inse­mi­na­ção Arti­fi­ci­al (Asbia) lan­çou a nova edi­ção do Index Asbia, com os dados acu­mu­la­dos do ano de 2021. A publi­ca­ção reve­la o cres­ci­men­to do setor da gené­ti­ca bovi­na naci­o­nal e indi­ca aumen­tos expres­si­vos de pro­du­ção e comer­ci­a­li­za­ção de doses de sêmen. O prin­ci­pal des­ta­que diz res­pei­to ao cres­ci­men­to das ven­das de gené­ti­ca bra­si­lei­ra. A saí­da de doses de sêmen para o cli­en­te final, expor­ta­ção e pres­ta­ção de ser­vi­ço atin­giu um cres­ci­men­to de 21% – foram 28.706.330 de doses em 2021, face a 23.705.584 em 2020. Den­tro do Bra­sil, as ven­das de gené­ti­ca para o cli­en­te final aumen­ta­ram 18% (foram 25.449.957 de doses ven­di­das no País, ante 21.575.551 em 2020). O des­ta­que vai para o sêmen de raças de cor­te, que regis­trou um aumen­to de ven­das de 22%. Já o setor lei­tei­ro repre­sen­tou um cres­ci­men­to de 6% nas vendas.