Raça Girolando ganha vitrine tecnológica na Fazu - Digital Balde Branco
revista-balde-branco-girolando-01-ed686

Raça responsável pela maior parcela da produção leiteira no Brasil acaba de ganhar uma vitrine tecnológica na Fazu

GIROLANDO

Raça Girolando

ganha vitrine tecnológica na Fazu

Esses animais aliam eficiência de produção de leite, longevidade, adaptabilidade e fertilidade – características vitais para uma atividade sustentável

Erick Henrique

A raça Giro­lan­do foi ofi­ci­a­li­za­da pelo Minis­té­rio da Agri­cul­tu­ra em 1996, na con­for­ma­ção Puro Sin­té­ti­co e 5/8 Holan­dês e mais 3/8 de san­gue Gir Lei­tei­ro. De acor­do com a Asso­ci­a­ção Bra­si­lei­ra dos Cri­a­do­res de Giro­lan­do, esti­ma- se que 80% da pro­du­ção naci­o­nal de lei­te seja fei­ta com ani­mais da raça. Pen­san­do em todo poten­ci­al e rele­vân­cia do reba­nho Giro­lan­do, a Facul­da­des Asso­ci­a­das de Ube­ra­ba (Fazu) lan­çou, em par­ce­ria fir­ma­da com a asso­ci­a­ção, a Vitri­ne Tec­no­ló­gi­ca da Raça Giro­lan­do (VTG), em Ube­ra­ba (MG).

Além dis­so, con­for­me o levan­ta­men­to da asso­ci­a­ção, cada vaca Giro­lan­do pro­duz, em média, 5.671 kg de lei­te, duran­te uma lac­ta­ção de 270 dias. Em oito lac­ta­ções, uma vaca Giro­lan­do é capaz de ali­men­tar apro­xi­ma­da­men­te 250 pes­so­as. Cada bra­si­lei­ro bebe, em média, 166 litros de lei­te por ano. 

Odilon de Rezende (à direita), com o diretor geral da Fazu, Célio Eduardo Nascimento Vieira, destaca que com essa pareceria “teremos um laboratório a céu aberto”

Esses resul­ta­dos de pro­du­ção lei­tei­ra das vacas Giro­lan­do são expres­si­vos, prin­ci­pal­men­te quan­do com­pa­ra­dos à média naci­o­nal de pro­du­ção por ani­mal veri­fi­ca­da em 2020, que foi de 2.192 litros/vaca/ano, aumen­to de 2,37% ante 2019, segun­do dados do IBGE. Em 2020, 16,1 milhões de vacas foram orde­nha­das, 137 mil ani­mais a menos do que em 2019. Esse movi­men­to, asso­ci­a­do ao aumen­to na pro­du­ção naci­o­nal, deno­ta mai­or pro­du­ti­vi­da­de do reba­nho lei­tei­ro, apon­ta o mes­mo levantamento.

A evo­lu­ção da raça con­ti­nua com o uso da ciên­cia e tec­no­lo­gia e, ago­ra, da ava­li­a­ção genô­mi­ca, na qual é pos­sí­vel iden­ti­fi­car as qua­li­da­des dos tou­ros antes de mul­ti­pli­car a sua gené­ti­ca, garan­tin­do o nas­ci­men­to de gera­ções supe­ri­o­res da raça Giro­lan­do. Tudo isso dei­xa pro­du­to­res e sele­ci­o­na­do­res orgu­lho­sos e oti­mis­tas quan­to ao desen­vol­vi­men­to do reba­nho Giro­lan­do, espe­ci­al­men­te por se tra­tar de uma raça que foi reco­nhe­ci­da há ape­nas 26 anos.

Vitri­ne Tec­no­ló­gi­ca Giro­lan­do – A vitri­ne está loca­li­za­da na fazen­da mode­lo da Fazu para pos­si­bi­li­tar aos pro­du­to­res mais aces­so às ino­va­ções da pecuá­ria lei­tei­ra. Na ava­li­a­ção do pre­si­den­te da Giro­lan­do, Odi­lon de Rezen­de Bar­bo­sa Filho, essa par­ce­ria tem como obje­ti­vo esta­be­le­cer um rela­ci­o­na­men­to con­tí­nuo entre a facul­da­de e a asso­ci­a­ção, para levar diver­sos bene­fí­ci­os aos cri­a­do­res, estu­dan­tes e téc­ni­cos. Será um “labo­ra­tó­rio a céu aber­to” em uma das ins­ti­tui­ções de ensi­no mais tra­di­ci­o­nais do País.

 

Equipe da Vitrine Tecnológica do Girolando/Fazu

“O pro­je­to Vitri­ne Tec­no­ló­gi­ca da raça Giro­lan­do era uma ini­ci­a­ti­va que já havia exis­ti­do alguns anos atrás, mas que foi reto­ma­da em 2021, a par­tir des­sa nova par­ce­ria, sen­do um acor­do de coo­pe­ra­ção téc­ni­ca entre as instituições. 

A mai­or inten­ção da VTG é tra­ba­lhar na for­ma­ção de um reba­nho Giro­lan­do 5/8, Puro Sin­té­ti­co, e, com a asso­ci­a­ção de cri­a­do­res loca­li­za­da em Ube­ra­ba, pró­xi­mo de uma ins­ti­tui­ção de ensi­no, a Fazu, isso foi mui­to impor­tan­te”, expli­ca Lívia Caro­li­na Gui­ma­rães, pro­fes­so­ra de zoo­tec­nia e coor­de­na­do­ra de pro­je­tos da Fazu. 

Segun­do ela, a expec­ta­ti­va é de que a VTG pos­sa ser uma vitri­ne de pes­qui­sa, capi­la­ri­da­de para os alu­nos recém-for­ma­dos que sai­rão da facul­da­de com mai­or conhe­ci­men­to téc­ni­co sobre a raça Girolando. 

Outro aspec­to impor­tan­te é que esses ani­mais se desen­vol­vem den­tro do plan­tel lei­tei­ro, ser­vin­do como fon­te de conhe­ci­men­to tam­bém para os pro­du­to­res de lei­te, que que­rem saber mais sobre esse plan­tel e como eles con­se­guem melho­rar seu reba­nho a par­tir do melho­ra­men­to genético.

Lívia Magalhães: “O grande benefício da vitrine tecnológica é aprimorar o nosso rebanho leiteiro e servir como modelo para os criadores que buscam adquirir esse conhecimento”

Para ampli­a­ção do reba­nho, a asso­ci­a­ção doou 20 doses de sêmen de tou­ros par­ti­ci­pan­tes do Tes­te de Pro­gê­nie. Esse mate­ri­al gené­ti­co está sen­do uti­li­za­do para inse­mi­nar as fême­as do plan­tel da Fazu. “Além dos pon­tos posi­ti­vos cita­dos, os bene­fí­ci­os des­se pro­je­to vão além. Nos pró­xi­mos anos, uma vez que as vacas foram inse­mi­na­das recen­te­men­te com mate­ri­al de tou­ros Giro­lan­do sele­ci­o­na­dos e tes­ta­dos pela pro­va pro­gê­nie da asso­ci­a­ção, vamos acom­pa­nhar den­tro da Fazu o desen­vol­vi­men­to de dados zoo­téc­ni­cos, ida­de à pri­mei­ra cober­tu­ra, den­tre vári­os outros índi­ces de suma impor­tân­cia para uma fazen­da lei­tei­ra”, diz Lívia Magalhães. 

De acor­do com a pro­fes­so­ra da Fazu, atu­al­men­te o VTG con­ta com 18 vacas Giro­lan­do em lac­ta­ção, que pro­du­zem no total, em média, 300 kg de lei­te por dia. Essa pro­du­ção é for­ne­ci­da a uma coo­pe­ra­ti­va de Uber­lân­dia, fili­a­da à CCPR, sob a mar­ca Itam­bé. “Na minha ava­li­a­ção, o gran­de bene­fí­cio da vitri­ne tec­no­ló­gi­ca é este: apri­mo­rar o nos­so reba­nho lei­tei­ro, melho­rar a pro­du­ti­vi­da­de e ain­da ser­vir como mode­lo para os cri­a­do­res que bus­cam adqui­rir esse conhe­ci­men­to, além de ser­vir como um óti­mo exem­plo prá­ti­co para os alu­nos da Fazu, enquan­to gra­du­an­dos nos cur­sos de zoo­tec­nia, agro­no­mia e agronegócio.”

Para o supe­rin­ten­den­te téc­ni­co da Giro­lan­do, Lean­dro Pai­va, é uma gran­de opor­tu­ni­da­de para os aca­dê­mi­cos da Fazu e seus visi­tan­tes, como pro­du­to­res de lei­te e pro­fis­si­o­nais do agro­ne­gó­cio, conhe­ce­rem mais de per­to a raça Giro­lan­do e suas carac­te­rís­ti­cas, bem como uma exce­len­te opor­tu­ni­da­de para rea­li­za­ção de estu­dos e pes­qui­sas sobre a raça, em par­ce­ria com a Fazu e com outras ins­ti­tui­ções de pes­qui­sa e ensi­no. “Nes­se espa­ço ire­mos demons­trar o dia a dia de uma fazen­da de gado de lei­te que tem como foco a pro­du­ção sus­ten­tá­vel com gado Girolando.”

Segun­do Pai­va, exis­te uma equi­pe téc­ni­ca da asso­ci­a­ção que é res­pon­sá­vel por acom­pa­nhar e exe­cu­tar algu­mas ati­vi­da­des no reba­nho, como o Ser­vi­ço de Regis­tro Gene­a­ló­gi­co da Raça Giro­lan­do (SRGRG) e o Pro­gra­ma de Melho­ra­men­to Gené­ti­co da Raça Giro­lan­do (PMGG). “Como o pro­je­to teve iní­cio há pou­co tem­po, ain­da temos mui­tas ati­vi­da­des a serem fei­tas. No entan­to, já rea­li­za­mos o regis­tro gene­a­ló­gi­co dos ani­mais e ini­ci­a­mos o con­tro­le lei­tei­ro ofi­ci­al. Com isso, já demos iní­cio à cole­ta de fenó­ti­pos que serão uti­li­za­dos nas ava­li­a­ções do PMGG, que são rea­li­za­das anu­al­men­te em par­ce­ria com a Embra­pa Gado de Leite. 

A cole­ta de fenó­ti­pos é um dos gran­des bene­fí­ci­os da vitri­ne e é um pro­ces­so con­tí­nuo, exe­cu­ta­do tan­to pela equi­pe de cola­bo­ra­do­res e aca­dê­mi­cos da Fazu, bem como pela equi­pe téc­ni­ca da associação.”

Leandro Paiva: “Nesse espaço vamos demonstrar o dia a dia de uma fazenda de gado de leite que tem como foco a produção sustentável com gado Girolando”

Dife­ren­ci­ais do Giro­lan­do 5/8 – Na ava­li­a­ção do supe­rin­ten­den­te téc­ni­co da asso­ci­a­ção, o gran­de dife­ren­ci­al da com­po­si­ção raci­al 5/8, que tam­bém é a com­po­si­ção raci­al do Puro Sin­té­ti­co (PS), é a mai­or padro­ni­za­ção e homo­ge­nei­da­de de suas carac­te­rís­ti­cas e a menor segre­ga­ção de genes, quan­do o assun­to é for­ma­ção de raça, ou seja, cru­za­men­to entre fême­as e machos da mes­ma com­po­si­ção raci­al. Além dis­so, os ani­mais apre­sen­tam exce­len­tes índi­ces de pro­du­ção e de reprodução.

“Cer­ca de 30% dos ani­mais ati­vos per­ten­cem à com­po­si­ção raci­al 5/8 Holan­dês + 3/8 Gir e do Puro Sin­té­ti­co. Esse por­cen­tu­al vem aumen­tan­do ano após ano, uma vez que os cru­za­men­tos das demais com­po­si­ções raci­ais vêm gra­da­ti­va­men­te sen­do dire­ci­o­na­dos para esse fim. Como o PMGG é o ali­cer­ce da raça, pode­mos afir­mar de que o 5/8 e o PS são cru­ci­ais para o suces­so do pro­gra­ma de melho­ra­men­to”, des­ta­ca Paiva.

Além dis­so, o espe­ci­a­lis­ta da asso­ci­a­ção expli­ca que a raça Giro­lan­do pro­pri­a­men­te dita é fixa­da na com­po­si­ção raci­al 5/8 Holan­dês + 3/8 Gir, por meio do cru­za­men­to entre ani­mais des­sa mes­ma com­po­si­ção raci­al, obten­do assim o Puro Sin­té­ti­co da Raça Giro­lan­do (PS), con­for­me deter­mi­na­ção do Minis­té­rio da Agri­cul­tu­ra, por oca­sião da ofi­ci­a­li­za­ção da raça, em 1º de feve­rei­ro de 1996. 

Con­for­me ele, por essa razão, a asso­ci­a­ção tem o com­pro­mis­so de divul­gar e incen­ti­var sem­pre a cri­a­ção da raça pro­pri­a­men­te dita. Essa cam­pa­nha visa aten­der jus­ta­men­te a tal pro­pó­si­to, bem como divul­gar suas qua­li­da­des e carac­te­rís­ti­cas. “No entan­to, todas as com­po­si­ções raci­ais são impor­tan­tes, pois todas elas fazem par­te do pro­ces­so de sele­ção e de con­so­li­da­ção da raça Giro­lan­do, pos­suin­do tam­bém qua­li­da­des e carac­te­rís­ti­cas de gran­de inte­res­se zoo­téc­ni­co. Cos­tu­ma­mos dizer que não exis­te uma com­po­si­ção raci­al ide­al, mas sim um gru­po gené­ti­co de ani­mais que con­se­guem aten­der aos inte­res­ses dos pro­du­to­res de lei­te e cri­a­do­res”, diz. 

Pai­va res­sal­va ain­da que cabe a cada a pecu­a­ris­ta explo­rar o poten­ci­al dos ani­mais de acor­do com o sis­te­ma de pro­du­ção e com base em seus inte­res­ses. “Por isso, dize­mos sem­pre que a raça aten­de aos inte­res­ses des­de o peque­no até o gran­de pro­du­tor de lei­te, por ser mui­to ver­sá­til e produtiva.”

Eugênio Deliberato: A adaptabilidade é uma das maiores qualidades da raça, característica de suma importância para a bovinocultura leiteira brasileira com diferentes regiões, climas e sistemas de manejo

Refe­rên­cia na raça Giro­lan­do - No muni­cí­pio de Mogi das Cru­zes (SP), o cri­a­dor Eugê­nio Deli­be­ra­to acre­di­tou, no ano de 2000, no poten­ci­al do reba­nho Giro­lan­do 5/8 para melho­rar os resul­ta­dos da pro­pri­e­da­de e só teve moti­vos para come­mo­rar. De lá para cá, ele já foi pen­ta­cam­peão naci­o­nal entre os cri­a­do­res que uti­li­zam a com­po­si­ção raci­al 5/8 da raça.

“Quan­do come­cei o cri­a­tó­rio Giro­lan­do Delib, há 22 anos, pes­qui­sei vári­as raças lei­tei­ras e mane­jos e deci­di pelo Giro­lan­do, por ser um ani­mal rús­ti­co, dócil e de fácil adap­ta­ção a dife­ren­tes ambi­en­tes”, con­ta o pro­du­tor, dizen­do que, no iní­cio, adqui­riu ani­mais dos prin­ci­pais cri­a­tó­ri­os da raça, e, logo no come­ço do pro­je­to, come­çou a focar em sele­ci­o­nar ani­mais Giro­lan­do no grau de san­gue 5/8. “Pois essa é a com­po­si­ção na qual o Minis­té­rio da Agri­cul­tu­ra deci­diu como sen­do o grau de fixa­ção da raça”, recor­da Deli­be­ra­to, que tam­bém é vice- pre­si­den­te da associação.

O cri­a­dor infor­ma tam­bém que pos­sui uma peque­na pro­pri­e­da­de, onde pro­duz atu­al­men­te cer­ca de 1.150 litros/leite/dia, onde faz um tra­ba­lho de melho­ra­men­to gené­ti­co da raça. “Come­cei com o uso de inse­mi­na­ção arti­fi­ci­al e atu­al­men­te tra­ba­lho qua­se exclu­si­va­men­te com trans­fe­rên­cia de embriões e total­men­te foca­do na pro­du­ção do 5/8 e do PS. O meu mane­jo é rús­ti­co em pique­tes e com com­ple­men­ta­ção com sila­gem e con­cen­tra­do”, diz. 

Ele par­ti­ci­pa do PMGG pro­mo­vi­do pela asso­ci­a­ção, rea­li­za o con­tro­le lei­tei­ro ofi­ci­al da Giro­lan­do e, com esse tra­ba­lho, já pos­sui alguns tou­ros 5/8 em cole­ta em cen­trais de sêmen.

Nes­ses mais de 20 anos tra­ba­lhan­do com o pro­gra­ma de melho­ra­men­to gené­ti­co, Deli­be­ra­to pôde obser­var e com­pro­var por meio de resul­ta­dos de pro­du­ção e econô­mi­co o quan­to hou­ve de evo­lu­ção no gado Giro­lan­do 5/8 na pro­pri­e­da­de. “Entre as carac­te­rís­ti­cas que bus­ca­mos por meio do melho­ra­men­to, que­ro des­ta­car algu­mas: lon­ge­vi­da­de, embo­ra mes­mo no iní­cio do meu cri­a­tó­rio tives­se um bai­xo índi­ce de des­car­te. Com o pas­sar dos anos, os ani­mais foram ganhan­do mui­to mais qua­li­da­de no sis­te­ma mamá­rio e loco­mo­tor, entre outros, que con­tri­buí­ram para que essas vacas per­ma­ne­ces­sem por mui­to mais tem­po pro­du­zin­do na fazenda.”

Além dis­so, para o pro­pri­e­tá­rio da Giro­lan­do Delib, a adap­ta­bi­li­da­de é sem dúvi­da uma das mai­o­res qua­li­da­des da raça, carac­te­rís­ti­ca de suma impor­tân­cia para a bovi­no­cul­tu­ra lei­tei­ra bra­si­lei­ra com dife­ren­tes regiões, cli­mas e sis­te­mas de mane­jo. Ele nota que, em sua pro­pri­e­da­de, os ani­mais enfren­tam bar­ro no perío­do chu­vo­so, pas­to ruim no perío­do seco e mes­mo assim con­ti­nu­am com bons níveis de pro­du­ti­vi­da­de. “Da mes­ma manei­ra, tenho ami­gos pro­du­to­res tra­ba­lhan­do com vacas Giro­lan­do no com­post barn com resul­ta­dos ain­da melho­res. Ago­ra, quan­to à fer­ti­li­da­de do plan­tel, tenho atu­al­men­te as novi­lhas Giro­lan­do parin­do na sua mai­o­ria com 24 a 27 meses, e o melhor – um bezer­ro ao ano”, conclui.

Gado jovem do criatório Girolando Delib, de Eugênio Deliberato