Senar-SC atende propriedades com foco em leite - Digital Balde Branco

Encon­tro entre téc­ni­cos do Senar-SC ava­li­ou resul­ta­dos do pro­gra­ma de assis­tên­cia pres­ta­do a pro­du­to­res de lei­te em San­ta Catarina 

Téc­ni­cos do Pro­gra­ma de Assis­tên­cia Téc­ni­ca e Geren­ci­al do Senar-SC, que tra­ba­lham com foco na bovi­no­cul­tu­ra de lei­te reu­ni­ram-se para deba­ter as ações do pro­gra­ma e apre­sen­tar os resul­ta­dos alcan­ça­dos até o momen­to com as pro­pri­e­da­des visi­ta­das. O encon­tro foi coor­de­na­do pelo Supe­rin­ten­den­te do Senar/SC, Gil­mar Antô­nio Zan­lu­chi, e o coor­de­na­dor do pro­gra­ma no Esta­do, Oli­ces Osmar Santini.

“Temos 33 tur­mas de téc­ni­cos do pro­gra­ma, cada pro­fis­si­o­nal aten­de 25 pro­pri­e­da­des e até o momen­to já são 1049 pro­du­to­res cadas­tra­dos. Uma vez por mês os téc­ni­cos visi­tam os pro­du­to­res com foco na trans­mis­são de conhe­ci­men­tos rela­ci­o­na­dos à ges­tão da empre­sa rural e téc­ni­cas de mane­jo vol­ta­das à ati­vi­da­de lei­tei­ra”, expli­cou Santini.

O pro­gra­ma tem como obje­ti­vo pro­por­ci­o­nar aumen­to da pro­du­ção, evo­lu­ção na pro­du­ti­vi­da­de e do nível de ges­tão, além do incre­men­to da ren­da líqui­da em pro­pri­e­da­des rurais de San­ta Cata­ri­na. As visi­tas ini­ci­a­ram há cer­ca de cin­co meses e ocor­re­rão pelo perío­do de dois anos.

Os ins­tru­to­res repas­sam aos pro­du­to­res as meto­do­lo­gi­as sobre cál­cu­lo de cus­tos de pro­du­ção, indi­ca­do­res da pro­pri­e­da­de e, prin­ci­pal­men­te, aná­li­se de dados para o pla­ne­ja­men­to estra­té­gi­co con­for­me os pon­tos for­tes e fra­cos de cada pro­pri­e­da­de. Com base no levan­ta­men­to dos dados é ela­bo­ra­do um pla­ne­ja­men­to indi­vi­du­al em cada pro­pri­e­da­de nas quais serão elen­ca­das ações de melho­ri­as. Todos os dados são lan­ça­dos no soft­ware uti­li­za­do naci­o­nal­men­te e que abri­ga infor­ma­ções com­ple­tas de pro­pri­e­da­des de todo o País.

Zan­lu­chi des­ta­cou que San­ta Cata­ri­na é exem­plo naci­o­nal na atu­a­ção do pro­gra­ma. “Esta­mos com um gran­de núme­ro de pro­pri­e­da­des aten­di­das e já temos bons resul­ta­dos. Ain­da que pre­li­mi­nar­men­te, pode­mos ver o quão posi­ti­va a assis­tên­cia téc­ni­ca e geren­ci­al está sen­do para a sus­ten­ta­bi­li­da­de das pro­pri­e­da­des no Esta­do. Fica­mos imen­sa­men­te satis­fei­tos em ver os fru­tos que estão sen­do colhi­dos e, sem dúvi­das, os mai­o­res bene­fi­ci­a­dos dis­so são os pro­du­to­res que ganham em qua­li­da­de de vida, pro­du­ti­vi­da­de e, con­se­quen­te­men­te, rentabilidade”.

O téc­ni­co Die­go Ber­ga­min aten­de 25 pro­pri­e­da­des do muni­cí­pio de Ipu­mi­rim-SC. Em ape­nas cin­co meses de tra­ba­lho os resul­ta­dos posi­ti­vos já come­çam a ser vis­tos. Segun­do ele, a prin­ci­pal difi­cul­da­de da mai­o­ria das pro­pri­e­da­des está na cri­a­ção de bezer­ras. “Mui­tos pro­du­to­res não se aten­tam à impor­tân­cia da repo­si­ção do reba­nho por meio das bezer­ras que, se bem cri­a­das, podem subs­ti­tuir as vacas mães. A par­tir das visi­tas come­cei a fazer o acom­pa­nha­men­to men­sal do ganho de peso das bezer­ras por uma tabe­la padrão. Os ani­mais que não têm esse aumen­to do peso veri­fi­ca­mos o porquê isso está ocor­ren­do e quais são as ati­tu­des cor­re­tas para rever­ter essa situ­a­ção e tor­nar o ani­mal pro­du­ti­vo”, salientou.

Entre os bons exem­plos, Ber­ga­min citou uma pro­pri­e­da­de em que hou­ve um aumen­to no núme­ro de vacas pre­nhas e da pro­du­ção de lei­te. “Antes, das onze vacas que o pro­du­tor pos­suía, ape­nas qua­tro esta­vam pre­nhas e a média era de nove litros por dia. Cin­co meses depois ele está com nove vacas pre­nhas e a pro­du­ção subiu para 15 litros de lei­te. Ape­sar de enfren­tar bas­tan­te difi­cul­da­des finan­cei­ras o pro­du­tor quer melho­rar e está seguin­do as ori­en­ta­ções repas­sa­das e os refle­xos posi­ti­vos estão sen­do acom­pa­nha­dos”, finalizou.

Rolar para cima