Tá estressado? Beba leite... - Digital Balde Branco

TENDÊNCIAS

Pedro Braga Arcuri 

Pesquisador da Embrapa Gado de Leite

“O leite vem ganhando espaço no crescente nicho de mercado dos nutracêuticos, isto é, produtos que têm características terapêuticas pela sua composição nutricional natural”

Tá estressado? Beba leite…

Quem não ouviu pelo menos uma vez a fra­se “Tá estres­sa­do? Vai pes­car…” Na pri­ma­ve­ra que se ini­cia, com tão pou­ca chu­va, tan­tas quei­ma­das e notí­ci­as de águas poluí­das, pes­car está fican­do mais estres­san­te do que o con­trá­rio! Por outro lado, exis­te uma tra­di­ção de se reco­men­dar um copo de lei­te quen­ti­nho antes de dor­mir, para rela­xar e ter uma noi­te de sono res­tau­ra­dor. Pois a ciên­cia está demons­tran­do, de modo cada vez mais sóli­do, que o lei­te e seus deri­va­dos podem, de fato, redu­zir o estres­se, a angús­tia e outros males des­ses nos­sos tem­pos modernos. 

O estres­se crô­ni­co é con­si­de­ra­do uma doen­ça. Esta situ­a­ção pode afe­tar o uso de calo­ri­as e nutri­en­tes pelo cor­po de vári­as manei­ras. O estres­se tam­bém cria uma rea­ção em cadeia de com­por­ta­men­tos que podem afe­tar nega­ti­va­men­te os hábi­tos ali­men­ta­res. Comer ali­men­tos mui­to indus­tri­a­li­za­dos tem sido iden­ti­fi­ca­do como uma rea­ção ao estres­se pela faci­li­da­de do con­su­mo e pela dis­po­ni­bi­li­da­de, nes­se tipo de ali­men­tos, de gor­du­ras, açú­ca­res e sal em excesso.

O lei­te de vacas ali­men­ta­das com die­tas balan­ce­a­das pos­sui uma quan­ti­da­de razoá­vel do nutri­en­te deno­mi­na­do trip­to­fa­no, um ami­noá­ci­do essen­ci­al, que é um ingre­di­en­te cha­ve na fabri­ca­ção da sero­to­ni­na e de mela­to­ni­na, um hormô­nio que age no sis­te­ma neu­ro­ló­gi­co, regu­lan­do o rit­mo cir­ca­di­a­no e o sono. Outros estu­dos recen­tes indi­cam que a mela­to­ni­na pode pro­te­ger con­tra alguns tipos de cân­cer, como anti­o­xi­dan­te, redu­zin­do o efei­to do enve­lhe­ci­men­to, na pre­ven­ção da oste­o­po­ro­se e na redu­ção do estres­se. Além dis­so, a mela­to­ni­na é absor­vi­da no apa­re­lho diges­ti­vo e trans­por­ta­da pela cor­ren­te san­guí­nea. Por­tan­to, a pre­sen­ça de ambos dá ao lei­te mais esta pro­pri­e­da­de nutracêutica.

Assim, o lei­te vem ganhan­do espa­ço no cres­cen­te nicho de mer­ca­do dos nutra­cêu­ti­cos, isto é, pro­du­tos que têm carac­te­rís­ti­cas tera­pêu­ti­cas pela sua com­po­si­ção nutri­ci­o­nal natu­ral. Vári­as outras subs­tân­ci­as pro­du­zi­das no lei­te de vaca, algu­mas já comen­ta­das nes­ta colu­na, refor­çam esta ten­dên­cia para a pro­du­ção de leite. 

Mais inte­res­san­te para a cadeia do pro­du­ti­va do lei­te é a cons­ta­ta­ção de que a quan­ti­da­de de mela­to­ni­na pro­du­zi­da no lei­te pode ser aumen­ta­da con­tro­lan­do-se luz e outros fato­res. Des­de a déca­da pas­sa­da vári­os estu­dos demons­tra­ram que vacas man­ti­das con­for­ta­vel­men­te por um perío­do mai­or em ambi­en­tes pou­co ilu­mi­na­dos pro­du­zem lei­te com mai­or con­cen­tra­ção de mela­to­ni­na. Esse mane­jo espe­ci­al e a ven­da a pre­ços mai­o­res do “lei­te notur­no” são fei­tos nos Esta­dos Uni­dos, na Nova Zelân­dia e em alguns paí­ses da Europa. 

Ao pro­du­tor cabe ana­li­sar o cus­to econô­mi­co de um mane­jo mais com­ple­xo das vacas em lac­ta­ção, que aco­mo­de a orde­nha notur­na, ou de está­bu­los escu­re­ci­dos arti­fi­ci­al­men­te, e a sepa­ra­ção des­se lei­te para com­pro­var o mai­or teor de mela­to­ni­na e ven­dê-lo com esta atri­bui­ção. A legis­la­ção bra­si­lei­ra pode ser mais uma bar­rei­ra a ser superada.

Por outro lado, a cres­cen­te deman­da por pro­du­tos sau­dá­veis pelos con­su­mi­do­res foi for­ta­le­ci­da pelo impac­to cau­sa­do pela pan­de­mia de covid-19. Dados recen­tes indi­cam que 74% dos habi­tan­tes de gran­des cida­des estão pre­o­cu­pa­dos ou mui­to pre­o­cu­pa­dos com estres­se e ansi­e­da­de, aumen­tan­do a deman­da por tera­pi­as de con­tro­le des­ses esta­dos men­tais. Asso­ci­ar ali­men­tos com melho­ria do bem-estar é anti­go como a huma­ni­da­de, e a pan­de­mia refor­çou essa demanda. 

Ape­sar de não ser sufi­ci­en­te, sozi­nha, para pro­mo­ver o sono, como um medi­ca­men­to, a con­cen­tra­ção de mela­to­ni­na natu­ral do lei­te notur­no tem efei­tos bené­fi­cos e pode ser usa­da como um nicho de alto valor agre­ga­do no mer­ca­do bra­si­lei­ro. A qua­li­da­de do lei­te é requi­si­to fun­da­men­tal para isso, assim como a mai­or orga­ni­za­ção da cadeia pro­du­ti­va, para pro­mo­ver as qua­li­da­des dife­ren­ci­a­das e uma dis­tri­bui­ção efi­caz. Nes­te gran­de e que­ri­do Bra­sil que vive­mos, um lei­te que con­tri­bua para redu­zir estres­se é um pro­du­to de gran­de valor.

Rolar para cima