Veterinário como agente de saúde pública - Digital Balde Branco

CRMV-SP lan­ça cam­pa­nha que res­sal­ta a impor­tân­cia do médi­co vete­ri­ná­rio para a saú­de ani­mal, huma­na e ambiental

O Con­se­lho Regi­o­nal de Medi­ci­na Vete­ri­ná­ria do Esta­do de São Pau­lo está lan­çan­do a cam­pa­nha “Saú­de é uma só”, que visa mos­trar à soci­e­da­de a impor­tân­cia do pro­fis­si­o­nal para a saú­de dos ani­mais, do meio ambi­en­te e do pró­prio ser huma­no. A cam­pa­nha apro­vei­ta a data do Dia do Médi­co-Vete­ri­ná­rio, cele­bra­da no últi­mo dia 9 de setem­bro, para vei­cu­lar uma série de peças que mos­tram dados de doen­ças trans­mi­ti­das dos ani­mais para os seres huma­nos, as cha­ma­das zoonoses.

O cui­da­do com a saú­de na rela­ção entre ani­mais, o meio ambi­en­te e o ser huma­no ganhou rele­vân­cia nas últi­mas déca­das com o aumen­to do comér­cio inter­na­ci­o­nal e do flu­xo de pes­so­as pelo mun­do, o que fez com que agen­tes cau­sa­do­res de doen­ças se esta­be­le­ces­sem em áre­as des­pro­te­gi­das. A Orga­ni­za­ção Mun­di­al da Saú­de apon­ta que 60% das doen­ças infec­ci­o­sas huma­nas têm sua ori­gem em ani­mais, como é o caso da zyka, lep­tos­pi­ro­se, rai­va, leish­ma­ni­o­se, bru­ce­lo­se, den­gue, entre outras. Ao lon­go das três últi­mas déca­das, 75% das novas doen­ças emer­gen­tes em huma­nos foram zoonoses.

Estes núme­ros ates­tam a impor­tân­cia do médi­co-vete­ri­ná­rio no pla­ne­ja­men­to e exe­cu­ção de polí­ti­cas de saú­de públi­ca, tra­ba­lhan­do na pre­ven­ção e con­tro­le de enfer­mi­da­des dire­ta­men­te com a popu­la­ção, o que tem colo­ca­do os pro­fis­si­o­nais da área como par­te inte­gran­te dos Núcle­os de Apoio à Saú­de da Famí­lia (NASF), equi­pes muni­ci­pais mul­ti­dis­ci­pli­na­res for­ma­das para aten­der à popu­la­ção em ques­tões de vigi­lân­cia em saú­de, sani­tá­ri­as e ambientais.

“Logo no iní­cio da atu­a­ção dos médi­cos-vete­ri­ná­ri­os nos NASF foi mais difí­cil de fazer a popu­la­ção enten­der a impor­tân­cia da nos­sa par­ti­ci­pa­ção”, ava­lia a Dra. Euki­ra Enil­de Mon­za­ni, pri­mei­ra médi­ca-vete­ri­ná­ria a ingres­sar em um NASF no Esta­do de São Pau­lo. “Mas hoje nos­sa par­ti­ci­pa­ção já é bem mais inte­gra­da, com visi­tas regu­la­res aos domi­cí­li­os, cons­ci­en­ti­zan­do a popu­la­ção dos pro­ble­mas gera­dos pelo ambi­en­te ou pelo con­ta­to com ani­mais”, complementa.

De acor­do com o últi­mo dado do Minis­té­rio da Saú­de, refe­ren­te ao ano de 2016, há 4.320 NASFs, pre­sen­tes em 3.400 muni­cí­pi­os do País e com­pos­tos por mais de 25.319 pro­fis­si­o­nais. Entre­tan­to, são 114 médi­cos-vete­ri­ná­ri­os atu­an­do em 19 esta­dos bra­si­lei­ros bus­can­do garan­tir cada vez a Saú­de Úni­ca como um direi­to de todos os cidadãos.

Rolar para cima